Empresário defende reformas e políticas voltadas para 4ª revolução industrial

Confira artigo de Carlos Rodolfo Schneider, membro do Conselho Político e Social da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e do Comitê de Líderes da Mobilização Empresarial pela Inovação da Confederação Nacional da Indústria (CNI)

A indústria de transformação é o setor que mais investe em inovação (69% do investimento empresarial em P&D no Brasil, segundo a Confederação Nacional da Indústria – CNI), que mais recolhe tributos, que paga os maiores salários (da iniciativa privada), e que gera o maior efeito multiplicador: a cada R$ 1 produzido são gerados R$ 2,40 na economia brasileira, contra R$ 1,66 da agricultura e R$ 1,49 do setor de comércio e serviços. Mas que, nas últimas quatros décadas vem encolhendo no país, por falta de atenção das políticas públicas e pela deterioração da competitividade da nossa economia, o famoso Custo Brasil. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 1980 representava 33,70% do PIB, a preços correntes, e em 2018 apenas 11,31%.

Publicidade

Em 2019 o governo federal estimou o Custo Brasil em R$ 1,5 trilhão por ano. É o que custam as ineficiências estruturais, burocráticas e econômicas que comprometem a competitividade das nossas empresas. A começar pela caótica estrutura de impostos, que obriga a um gasto de horas 7 vezes maior para tentar pagar corretamente os tributos (1509 horas/ano, segundo o Banco Mundial, contra a média mundial de 226 horas/ano). Isso absorve 1,2% do faturamento das empresas industriais, número 9,3 vezes mais elevado do que dos principais parceiros comerciais. Além do que, no Brasil a tributação não é isonômica entre os setores, sendo a indústria o mais onerado: respondia em 2019 por 26% dos tributos federais, para uma participação de 11,3% no PIB.

Segundo Li Yong, diretor-geral da Unido (Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial), nos últimos anos países vem reconhecendo a importância das políticas industriais para a prosperidade sustentável.

Devemos seguir com o esforço das reformas, desenvolver políticas industriais voltados à Quarta Revolução Industrial, à indústria 4.0, e definir programas de apoio horizontais, e não a 17 setores, para que não sejam eleitos vencedores e vencidos.

Publicidade
Chubb no JRS

Artigos Relacionados