Encontro virtual da AIG Seguros debate o racismo estrutural no Brasil

Promovido pelo grupo de diversidade racial da seguradora, evento recebeu a historiadora e pesquisadora Suzane Jardim

Para marcar o Dia da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro, a AIG Seguros realizou um encontro virtual sobre o tema para cerca de 200 pessoas, entre público interno e parceiros convidados. Promovido pelo Diversidade Étnico-Racial Consciente (DÆRC), grupo de diversidade racial dentro da companhia, o evento foi liderado pela historiadora e pesquisadora em história e relações raciais Suzane Jardim, que abordou o conceito de racismo estrutural no Brasil, os desafios atuais e as barreiras que ainda precisam ser superadas.

Publicidade

Responsável pelo conteúdo do curso EAD “Diversidade: Educação antirracismo”, da rede Senac-SP, Suzane atua como formadora em educação para a diversidade e inclusão racial em escolas e em programas de Letramento Racial em diversas organizações. Na conversa promovida pela AIG, ela falou bastante sobre a questão histórica, que é a raiz do racismo estrutural ao redor do mundo.

“O racismo é um sistema complexo, que possui diversas camadas e está presente em todos os campos da sociedade. Por isso se fala tanto em racismo estrutural, pois a sociedade moderna foi criada excluindo a população negra”, disse Suzane, destacando também o aspecto histórico da sociedade brasileira: “A ideia de que no Brasil existe uma democracia racial é errada, pois mesmo após o fim da escravidão a população negra não foi incluída de fato na sociedade e no mercado formal de trabalho. Então, a desigualdade de hoje foi construída no passado, a partir de uma hierarquia racial que sempre naturalizou o preconceito existente no país. Por isso, se omitir dessa discussão é fazer parte do problema”, completa.

Jorge Sousa é líder do DÆRC / Divulgação
Jorge Sousa é líder do DÆRC / Divulgação

Jorge Sousa, líder do DÆRC e executivo sênior de contas da AIG, destacou a importância de realizar esse encontro, especialmente em um ano no qual as questões raciais foram muito debatidas. “Essa discussão ganhou muita força ao longo de 2020, dentro e fora do Brasil. Para nós, o Dia da Consciência Negra, mais do que reflexão, exige ações contra o racismo e suas estruturas”.

Publicidade
Europ Assistance Brasil

“Além de nos fazer refletir, esta aula com Suzane Jardim nos trouxe muito aprendizado sobre o modo com que aprendemos muitos dos episódios históricos e como podemos transformar nossas atitudes a partir de agora. Estou muito feliz pela receptividade dos nossos funcionários ao tema para que, juntos, possamos estimular um ambiente ainda mais inclusivo e respeitoso na AIG”, completou Fabio Protasio Oliveira, CEO da companhia no Brasil.

Diversidade na AIG

Com mais de 140 grupos de afinidade espalhados por 54 países em todo o mundo, a AIG tem um posicionamento firme e histórico na defesa da diversidade, há mais de 15 anos fomentando discussões sobre inclusão e representatividade, inclusive por meio da liderança global. Com o objetivo de estimular ações ainda mais concretas relativas à contratação e desenvolvimento de profissionais de grupos menos representados, a liderança da AIG formou neste ano o Conselho Executivo de Diversidade, com participação direta do CEO global Brian Duperreault e executivos de diferentes áreas e regiões do mundo; entre eles Fabio Protasio Oliveira, CEO da AIG Brasil, representando a América Latina.

“Localmente, temos trabalhado em diferentes iniciativas focadas na conscientização e inclusão. Com o apoio de parceiros especializados, promovemos cursos sobre vieses inconscientes a 100% dos nossos funcionários, e, mais recentemente, nossa liderança participou de capacitação sobre microagressões no mercado de trabalho e treinamento sobre contratações sem vieses”, conta Fabio. “Além de não admitir qualquer tipo de discriminação, estamos engajados em promover um ambiente onde todos possam crescer e desenvolver seu potencial”, completa o executivo.

No Brasil, além do DÆRC (Diversidade Étnico-Racial Consciente), cujo objetivo é ampliar e fortalecer as oportunidades à população negra, por uma sociedade mais justa e sem preconceitos, a AIG possui outros dois grupos: Women@Work (WOW) – Mulheres e Aliados, focado no desenvolvimento profissional para as mulheres e equidade de gênero, e o Diversitas LGBT & Aliados, que trabalha por um ambiente mais igualitário e acolhedor. Juntos, os colaboradores da seguradora estão envolvidos em esforços para promover uma cultura inclusiva para todos. Dos 250 funcionários da AIG no Brasil, cerca de 20% (em torno de 50 pessoas) participam ativamente e de forma voluntária de algum grupo de diversidade.

Artigos Relacionados