Como transformar “água em vinho” no mundo dos negócios pós-pandemia

Neste material, o especialista Erik Penna comenta alguns passos que contribuem na reconstrução de resultados e comportamentos para os negócios pós-pandemia.

Erik Penna

Erik Penna ( divulgação )

03/06/2020 –

Segundo pesquisa do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), 89% dos micros e pequenos negócios foram impactados e tiveram redução do faturamento em 2020, em comparação ao mesmo período de 2019 (1º quadrimestre do ano). Isso é preocupante, mas como um negócio pode se reinventar num momento tão conturbado e se preparar para o pós-pandemia?

Realmente o mercado está difícil e, muitas vezes, desmotivador. De toda forma, por mais complicado que seja o momento, é importante lembrar que se trata apenas de um período. O caminho pode estar penoso, mas não é eterno, é só um pedaço do trajeto.

A seguir, alguns passos que contribuem na reconstrução de resultados e comportamentos:

– Propósito: o primeiro passo na busca por reinventar o negócio é pensar qual o verdadeiro propósito dele. Por exemplo: um buffet não pode, por enquanto, realizar festas presenciais, mas é possível rever a missão e ofertar momentos felizes. Afinal, se os clientes não podem ir até o salão, o buffet pode propiciar uma festa na casa do cliente, levando brinquedos, infláveis, bolo, doces, salgados e criando uma festa virtual com convidados e monitores. Essa ideia é válida para inúmeros negócios, principalmente aqueles que ainda não descobriram outras formas de perpetuar a empresa.

– Dor: é preciso refletir sobre qual tem sido a nova dor do consumidor. Esse foi o caso de uma gráfica que vendia impressos e formulários e viu as vendas despencarem. A partir daí, o diretor percebeu que a venda de embalagens para delivery poderia resolver a dor de muitas empresas, que começavam a operar com entregas, e estavam em busca de embalagens para acondicionar produtos.

– Siga o dinheiro: pesquisar no Google Trends (ferramenta gratuita que permite acompanhar a evolução do número de buscas por uma determinada palavra-chave ao longo do tempo) as palavras mais buscadas, é outra dica. Assim, será possível descobrir o interesse desses possíveis compradores e para onde o dinheiro deles está indo.

– Marca: se mesmo com todas as ideias e iniciativas não for possível fazer venda, há chances de fazer marca. Cuidar da presença online da empresa, produzir posts criativos e divulgar ações na internet, são algumas ações inteligentes. É preciso se manter bem posicionado na cabeça do cliente.

– Qualificação: é importante treinar a equipe de forma on-line, aproveitar que agora existe tempo disponível para capacitar todo o pessoal para servir, atender um novo perfil de cliente com maestria e sem fricção, destacando o protagonismo que cada um pode exercer numa eventual economia de baixo contato que vem por aí.

– Clientes:

* Cauteloso: com a segurança, como medo e maior zelo com a saúde. Portanto, não basta ser, é preciso parecer, ou seja, mostrar e comunicar aos clientes internos e externos todas as medidas sanitárias adotadas;
* Conectado: muito bem informado e digitalizado pós-quarentena em casa, full time na internet;
* Decaído: pode-se preparar combos e ofertas para que, se o cliente chegar com menos dinheiro no bolso, seja possível fazer negócio com ele.

– Ansiedade: o momento é de muita ansiedade e a pergunta que se destaca é: “Quando tudo isso vai acabar?”.

Segundo a OMS-Organização Mundial da Saúde, o Brasil é o país mais ansioso do mundo. E com a pandemia, essa ansiedade aumentou. Inclusive, um estudo recente da UERJ-Universidade Estadual do Rio de Janeiro apontou que os casos de depressão dobraram entre os entrevistados, enquanto as ocorrências de ansiedade e estresse tiveram um aumento de 80% nesse período de coronavírus.

É viável afirmar que ansiedade é na verdade um excesso de futuro, uma preocupação extrema com o que está por vir. Assim, o indivíduo deixa de aproveitar o momento, não identifica a alegria do hoje, não percebe a paixão que precisa ter pelo agora.

Não se sabe exatamente quando a pandemia irá terminar. Mas é possível minimizar a ansiedade e melhorar o dia mudando o foco e a pergunta para: “O que se pode fazer de melhor hoje?”.

Então, menos ansiedade, mais alegria e paixão pelo hoje!

*Erik Penna é especialista em vendas, autor de 6 livros, palestrante de vendas e empreendedorismo, e já apresentou mais de 1000 palestras no Brasil e no exterior.

Sobre o palestrante de vendas e motivação Erik Penna

Ministra palestras de vendas e motivação, possui MBA em Gestão de Pessoas pela Fundação Getúlio Vargas, pós-graduação em Administração e Marketing pela Universidade Paulista e graduação em Economia pela Universidade de Taubaté.

Aborda nas palestras ensinamentos baseados nas experiências vivenciadas por ele durante a sua carreira como executivo de vendas, professor, escritor, motivador de equipes e gestor corporativo. É autor dos livros “A Divertida Arte de Vender”, “Motivação Nota 10”, “21 soluções para potencializar seu negócio”, “Atendimento Mágico – Como Encantar e Surpreender Clientes”, “O Dom de Motivar na Arte de Educar”, “30 ideias para impulsionar as suas vendas” e coautor dos livros “Gigantes das Vendas” e “Gigantes da Motivação”.

Site: www.erikpenna.com.br

Atendimento à imprensa

Patrícia Arantes – RZT Comunicação
www.rztcomunicacao.com.br
patricia@rztcomunicacao.com.br
Fones: (11) 5051-8142 / 99786-5554

Website: http://www.erikpenna.com.br