Newton Queiroz: Não deixe para amanhã o que deveria ter sido feito antes

Colunista do JRS fala sobre transformações e expansão da penetração do seguro no Brasil

Apesar de tudo que estamos vivendo no mundo e, em especial no brasil, é incrível o poder de nossa sociedade em reinventar-se. Acredito que seja resultado das inúmeras crises/desafios que enfrentamos (mesmo nenhum tendo sido próximo ao que vivemos hoje).

Publicidade
C Josias & Ferrer no JRS

O sofrimento é igual ao resto do mundo, mas a força de buscar algo novo e fazer diferente é uma característica da sociedade brasileira há muitos anos. Por isso que muitos compatriotas acabam destacando-se em algumas funções mundialmente.

Quando falamos da indústria de seguros, a reinvenção foi significativa em todos os aspectos da cadeia. A tão sonhada transformação digital teve início e veio aqui para ficar. Quem consegue imaginar um provedor de seguro sem um portal, atendimento online e outros? Em 2019 não era assim, mas nos adaptamos rápido e agora estamos correndo atrás para alcançar outras indústrias.

Contudo, um ponto ainda necessita de maior exposição em nossa indústria: a expansão do mercado. Por qualquer ângulo que desejemos olhar é fato que ainda existe muito a conquistar em termos de penetração de seguros na sociedade.

Publicidade

Este fato deve ser visto como positivo. Ainda mais no cenário atual. Em um momento de crise como o que vivemos, se fizermos um paralelo com outras indústrias mais desenvolvidas, percebemos que é muito mais difícil deixar de possuir um produto de nossa indústria.

Porém, o ponto crucial aqui é começar e dar sequência a um movimento de busca por novos clientes para produtos existentes e/ou que desejem novos produtos a serem desenvolvidos. Devemos lembrar que muitos não contratam seguro pelo simples fato de não receberem ofertas e, quando recebem, elas não são adequadas.

O grande ponto aqui é que o resultado não vem de imediato. Por isso, na maioria das vezes, isso tudo acaba ficando em segundo plano. Justamente por isso sempre defendi estratégias paralelas: uma para entregar os resultados de hoje e outra para entregar os resultados de amanhã. Em ambas deve ser dado foco às oportunidades que o setor nos traz e que deveríamos estar investindo.

Seria errado falar que existe um responsável por não estarmos mais avançados na penetração de seguros em nosso País, mas está claro que um jogador sumamente importante por aqui são os Corretores de Seguro. São eles que podem acessar a grande gama de clientes e buscar as novas vendas.

Para isso sempre defendi a criação de um círculo virtuoso, onde empresas de seguro e resseguro criam treinamentos, conteúdo e escutam as demandas dos clientes (via Corretores). Em contrapartida, os corretores dedicam parte de seu tempo para buscar novos clientes, oferecer novos produtos e traduzir pontos importantes para as seguradoras. Isso geraria um ciclo de melhoria contínua e resultaria em uma maior penetração de nossos produtos.

Se de um lado podemos dizer que deveríamos ter feito isso antes, de outro devemos lembrar que tudo tem um começo. Por que não agora?

Termino este texto com uma frase de Bernard Shaw que sempre me faz refletir e pensar no novo: “Você vê coisas e diz ‘Por quê?’ Mas eu sonho coisas que nunca existiram e digo ‘Por que não?”.

Artigos Relacionados