Pequena empresa deixa de contratar seguros corporativos devido à crise

75% dos microempreendedores afirmam não possuir nenhuma cobertura

As micro e pequenas empresas (PMEs) estão sem fôlego na contratação de seguros. No mercado, os microsseguros ganham espaço ante a crise, mas são considerados de “pouco valor” para seguradoras, com prêmios baixos para justificar investimentos.

Publicidade

De acordo com dados da última pesquisa sobre o assunto, feita pelo Ibope a pedido da RSA Seguros, cerca de 75% dos microempreendedores afirmam não possuir nenhuma cobertura.

Dentre os motivos destacados para a falta de adesão das PMEs, o levantamento aponta que 37% dos pequenos negócios afirmam não ter um seguro corporativo por falta de planejamento, seguido pelo custo do seguro (33%) e por acreditarem que um produto como esse não é necessário para a empresa (29%).

“A crise, naturalmente, faz com que as PMEs desapareçam. Não termos um seguro extensivo o suficiente no País para alcançar essas empresas é muito preocupante, principalmente porque, quando comparamos, conseguimos perceber que as famílias chegam a ter mais seguros do que as pequenas empresas, que precisam tanto quanto, ou mais, desses recursos”, avaliou o especialista em evento, ao divulgar o estudo “O seguro na sociedade e na economia do Brasil”, feito pela Afi em parceria com a Fundación Mapfre do Brasil.

Segundo José Antônio Herce, economista e sócio da consultoria Analistas Financieros Internacionales (Afi), a situação é preocupante nesse cenário das PMEs, uma vez que o setor se baseia no princípio de divulgar seus produtos para “fazer a população entender a importância de se contratar um seguro”.

Publicidade
Europ Assistance Brasil

“O Brasil vive um momento ímpar, muito ruim, de sua história, mas as expectativas do setor estão mais positivas agora. Apesar disso, é preciso ter em mente que o Brasil, por conta de seu tamanho e importância, é responsável por puxar negativamente o PIB [Produto Interno Bruto] da América Latina, então o mercado de seguros, de certa forma, realmente fica comprometido nesse cenário”, explica Mauro Batista, presidente da Academia Nacional de Seguros e Previdência (ANSP).

*Com informações de DCI.

Artigos Relacionados