Perdas com ciberataques podem ultrapassar US$ 2,1 trilhões até 2019 103246

Segurança digital é o tema do momento

Os ataques globais registrados durante todo o ano de 2017 expuseram como nunca uma questão contemporânea: os riscos cibernéticos, bem como as perdas potenciais oriundas destas ações. Até 2019, estima-se que as perdas podem atingir US$ 2,1 trilhões, de acordo com um estudo da Cyber Handbook.

Tudo que evolui para o bem da sociedade, também evolui para o mal. O que antes parecia ficção científica tornou-se realidade. Sistemas de hospitais, energia elétrica e telefonia em mais de 74 países foram atingidos pelos temidos ataques ransomware, onde é exigido o pagamento de um resgate para liberação do acesso aos documentos do usuário.

Maior alvo de ciberataques na América Latina, o Brasil também registrou contratempos com ataques do gênero. O empresário Augusto Lisboa (nome fictício), revela que teve seu servidor com todo o banco de dados necessário para o funcionamento de sistemas e serviços afetado pelo programa malicioso. “Mesmo com o pagamento exigido pelos hackers, nosso sistema não foi restabelecido”, conta ao lembrar que não houve nenhum comportamento suspeito nos computadores da rede antes do ataque.

O pagamento, ao qual a vítima se refere é realizado em Bitcoins, uma moeda virtual criptografada que impede o rastreamento. Em média, é cobrado US$ 300 por computador, mas o valor varia. Um Bitcoin era cotado a R$ 26.914,86 no dia 17 de novembro.

Os riscos cibernéticos foram tema central de um fórum organizado pela seguradora AIG, onde Luiz Milagres, Gerente de Riscos Cibernéticos da consultoria Ernst Young, ressaltou a percepção de amadurecimento das empresas brasileiras em relação ao assunto. “Cerca de 40% das empresas listadas na Bolsa de Valores já incluem em seus relatórios informações sobre investimentos em segurança digital. Isso mostra o quão sensível é o tema”, afirma ao ressaltar que 68% dos ataques partem de dentro da própria organização.

Além da perda de dados e da extorsão, ficam os ditos “lucro cessantes” e os prejuízos institucionais à imagem da empresa. A boa notícia é que, apesar do crescente temor causado pelos atos recentes, existem opções disponibilizadas pelo mercado de seguros para minimizar o impacto deste problema. Segundo a corretora Marsh, as contratações deste tipo de seguro somam aproximadamente US$ 2 bilhões e devem bater US$ 20 bilhões até 2025. Os Estados Unidos continuam a ser o maior mercado de seguros cibernéticos, onde quase 20% de todas as organizações têm cobertura contra estes riscos.

Este tipo de cobertura está disponível em terras tupiniquins desde 2012. “Trata-se de um seguro que não se limita apenas à proteção contra os riscos, mas sim uma solução para o gerenciamento da exposição cibernética de uma empresa”, explica Flavio Sá, gerente de linhas financeiras da AIG Brasil.

Segundo Ana Albuquerque, Gerente de Linhas Financeiras da Willis Towers Watson, a busca por este tipo de cobertura cresceu 143% em 2016. Hospitais, instituições financeiras, tecnologia, varejo, alimentos e bebidas estão entre os cinco segmentos que mais contratam seguros cibernéticos. É um novo nicho de mercado a ser explorado pelos Corretores de Seguros, os profissionais devidamente habilitados a realizarem uma consultoria profissional sobre as reais necessidades de empresas e consumidores que desejam ter uma garantia para que este problema não seja prejudicial a ponto de desestabilizar os resultados financeiros e tornar-se, assim, irreversível.

“Este tipo de proteção ainda é recente, mas está em evolução e o mercado de seguros sempre vai de encontro às mudanças da sociedade”, pensa Fernando Cirelli, executivo responsável pelo produto de Seguro Digital na BR Insurance. “É um produto complexo e com uma linguagem específica, mas aplicável a todos os ramos de atividades”, completa ao projetar que, em um futuro próximo, possivelmente, o seguro residencial, por exemplo, deve disponibilizar cobertura para dispositivos conectados.

Além dos ataques ransomware, o phishing (ver quadro) é um dos golpes mais comuns na rede, reitera Temistocles Mendes, Gerente Comercial de Identidade e Acesso da Gemalto. A empresa é especialista em soluções mundiais em tecnologia e também indexa os ataques reportados em nível mundial. Mendes ainda lembra que com o advento “internet das coisas” deve explodir o número de dispositivos suscetíveis a invasões e que as pequenas e médias empresas são as mais afetadas, pois, normalmente, não possuem estratégias de segurança digital.

De encontro a isso está a digitalização completa de processos até então burocráticos. É o que diz Alessandro Buonopane, Head of Insurance no Brasil da consultoria em tecnologia GFT. “Estamos evoluindo rapidamente e pensar a médio e longo prazo é necessário. As próprias seguradoras tornam suas tarefas mais acessíveis, seja na comunicação com o corretor ou na abertura de sinistros, que hoje pode ser feita por aplicativos móveis”, conta. “Vivemos uma nova era para os serviços financeiros”, diz ao lembrar do processo de digitalização dos bancos, que ocasionou na demissão de 20 mil profissionais que atuavam em agências físicas, como informou recentemente o Banco Central.

É consenso geral que o descuido do próprio usuário com acesso à rede é a maior causa dos problemas relacionados a segurança digital. Os ataques mundiais aconteceram devido a uma falha do Windows, que já contava com atualização que corrigia o problema. Nas versões mais recentes do sistema operacional uma funcionalidade que previne este tipo de ataque aconteça. Cabe ressaltar que também foram registrados ataques no Linux, mas em escala muito menor e isolada.

“A evolução diária dos riscos cibernéticos demanda atenção sobre o nível de segurança da informação corporativa dos usuários e a seguradora tem como missão cuidar dos recursos que garantem a continuidade dos negócios”, afirma Carlos Cortés, Head de Risk Engineering da Zurich no Brasil. A companhia é uma das poucas que também fornece seguro para riscos digitais que oferece proteção financeira à empresa em casos de responsabilidade civil decorrente de ameaças cibernéticas ou atos de violação de segurança ou de privacidade, incluindo proteção em casos de investigações formais e inquéritos.

JLT participa de seminário sobre seguros no Chile 438

Osvaldo Casado

Evento “Risk & Insurance” foi realizado no Chile pela primeira vez

A JLT participou do seminário Risk & Insurance, que foi realizado no Chile pela primeira vez. O diretor de Instituições Financeiras da companhia, Osvaldo Casado de Lima Jr, palestrou no painel sobre M&A.

O seminário reuniu todos os gestores de risco das principais companhias chilenas, além das seguradoras e resseguradoras do país.

De acordo com Osvaldo Casado de Lima Jr., o mercado de M&A está muito aquecido em toda a América Latina. Ele ressalta que parte dessa grande movimentação se deve ao fato de que o acesso ao capital para essas transações se tornou mais competitivo com a liquidez dos Mercados de Capitais, de renda fixa e renda variável.

“O movimento de consolidação em alguns setores passou a ser natural como meio de crescimento e, com isso, muitos riscos são difíceis de se precificar inicialmente. Diante disso, conseguimos trabalhar soluções para passivos ocultos não apenas mitigando os riscos, mas também como instrumento facilitador de transações de M&A, dando segurança e complementariedade para um investimento”, explica Osvaldo.

Cerca de 200 pessoas participaram do evento, que contou com dois seminários paralelos: um para a prevenção das empresas e outro para os gestores de risco.

Rede Lojacorr e Unimed compartilham experiência com automação robótica de processos 468

Tecnologia

Painel terá a participação especial de Luiz Longobardi Junior, Diretor de Mercado e Operações da Rede

Maior Rede de Corretoras de Seguros Independentes do Brasil, presente em 20 estados e no Distrito Federal, através de 49 Unidades de Negócios, a Rede Lojacorr é um dos importantes cases de sucesso confirmados para o I RPA Congress Rio Grande do Sul 2018.

Diretor de Mercado e Operações da Rede, Luiz Longobardi Junior, executivo com 35 anos de experiência no setor, estará à frente da apresentação que faz parte do Painel moderado por Júlia Merker, e que terá também o Case Unimed.

“Venha descobrir como essa ferramenta inovadora pode ajudar a ampliar a produtividade e elevar os indicadores de performance na sua empresa, com redução de custos e e sem abrir mão da qualidade no serviço prestado!”, diz nota enviada à redação.

Realizado pelo Instituto Information Management (IIMA) em parceria com a Associação Brasileira de Empresas Usuárias e Fornecedoras de Tecnologia para Gerenciamento de Informação (Abeinfo), o evento reunirá cerca de 150 profissionais de empresas de médio e grande porte de vários segmentos (bancos, seguradoras, TI, indústrias, serviços, utilities, varejo, alimentos e bebidas, farmacêutico, laboratórios, educacional, Governo, entre outros).

As vagas são limitadas.

1º RPA Congress Rio Grande do Sul

23 de novembro | das 8h às 18h
Centro de Eventos FIERGS – Salas D3 300
Porto Alegre (RS)
Mais informações neste site.

Icatu Seguros e Amazon Brasil distribuem livros digitais para corretores 574

Seguradora está imersa em um ecossistema de inovação

A Icatu Seguros e a Amazon Brasil estão distribuindo eBooks Kindle gratuitamente para corretores que integram a força de vendas da seguradora em todo o País. A ação de relacionamento e atenção aos corretores vai ao encontro de um dos propósitos da companhia, de estímulo à educação continuada e ao treinamento desses profissionais para que atuem como verdadeiros consultores.

Até 23h59min do dia 15 de novembro, corretores da Icatu Seguros poderão baixar gratuitamente o livro digital “A Arte da Negociação”, de Michael Wheeler, na Loja Kindle da Amazon Brasil. A iniciativa também prevê descontos de 50% em uma seleção especial de sete títulos sobre empreendedorismo e relacionamento, incluindo best-sellers como “A Startup Enxuta”, de Eric Ries; e “SCRUM: A Arte de Fazer o Dobro do Trabalho na Metade do Tempo”, de Jeff Sutherland. Os associados receberão um e-mail com um código individual para baixar o eBook gratuito, além de um link para acesso aos livros digitais com desconto. Alguns clientes também serão beneficiados.

“Imersa em um ecossistema de inovação, a Icatu está se associando a importantes empresas para estruturar novas estratégias de negócio e melhorias para a experiência de seus parceiros e clientes. Esse é só o primeiro passo”, conta Luciana Bastos, diretora de Desenvolvimento de Produtos de Vida da Icatu Seguros.

Na Loja Kindle, clientes encontram mais de 5 milhões de livros digitais, incluindo os mais recentes best-sellers e mais de 150 mil títulos em português. Os eBooks Kindle podem ser adquiridos e lidos com o aplicativo gratuito Kindle para computadores, tablets e smartphones Android ou iOS, além de e-readers Kindle.

Divulgação
Divulgação

Valor do seguro para automóveis cai 8% em novembro 814

Confira cotações em Brasília (DF), Porto Alegre (RS), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP)

A Bidu, plataforma online de recomendação, comparação e contratação de seguros e produtos financeiros, que faz parte do Grupo Thinkseg desde junho deste ano, divulga levantamento com o valor dos seguros para as versões de entrada dos dez veículos mais vendidos em outubro, de acordo com os dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

O Relatório Bidu, produzido mensalmente desde 2016, analisa o preço médio do seguro em quatro capitais brasileiras (Brasília, Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo) e compara o perfil de homens e mulheres de 35 anos, casados, sem filhos, com garagem em casa e no trabalho, e que estão contratando o seguro pela primeira vez.

Após registrar alta de 46% no preço médio no mês anterior, o valor do seguro caiu 8%, em média, para as cotações realizadas este mês. A queda foi puxada pelo levantamento do perfil masculino, que teve retração média de 15,69%, enquanto o preço do seguro para as mulheres manteve-se estável (retração de apenas 0,3%).

Os destaques na diminuição do valor do seguro ficaram para os homens que moram na cidade de São Paulo, com 49,56% de queda no preço médio, e em Brasília, com retração de 30,22%. Essas quedas significativas levaram para baixo o preço médio nas capitais pesquisadas, já que no Rio de Janeiro e em Porto Alegre, como mostra o gráfico abaixo, houve aumento na precificação das apólices.

*Variação do preço médio do seguro por cidade (azul: homens; vermelho: mulheres)
*Variação do preço médio do seguro por cidade (azul: homens; vermelho: mulheres)

Abrindo por modelo, fica nítida a retratação de preços para o perfil masculino. A queda chegou a 40% para o Renault Kwid, cujo seguro foi cotado em R$ 3.164 em outubro e passou para R$ 1.897 em novembro. Apenas o seguro do Volkswagen Polo registrou aumento para os homens, chegando à variação de 24% (foi cotado em R$ 3.209 em outubro e em R$ 3.975 este mês).

O cenário para as mulheres é diferente, pois foram registradas quedas apenas no preço do seguro do Jeep Compass (cotado em R$ 4.329 no último relatório e em R$ 3.995 este mês) e para o veículo Volkswagen Polo (R$ 3.263 em outubro e R$ 3.188 em novembro). Os demais demonstraram aumento, com destaque para o acréscimo de 34% no preço do seguro para o carro mais vendido do mês: o Chevrolet Ônix, cujo valor passou de R$ 1.557 para R$ 2.094.

*Variação do preço médio do seguro dos modelos que se repetem entre setembro e outubro (azul: homens; vermelho: mulheres)
*Variação do preço médio do seguro dos modelos que se repetem entre setembro e outubro (azul: homens; vermelho: mulheres)

Apesar dos valores do seguro para o perfil masculino terem puxado a queda na média geral de preços este mês, o preço médio para homens continua mais alto em comparação ao perfil feminino. Enquanto as mulheres pagam, em média, R$ 2.171 pelo seguro dos carros analisados, os homens desembolsam R$ 2.949 para segurar os seus veículos, uma diferença de R$ 778.

*Preço do seguro por modelo, média novembro (azul: homens; vermelho: mulheres)
*Preço do seguro por modelo, média novembro (azul: homens; vermelho: mulheres)

Modelo mais vendido

De acordo com o relatório da Fenabrave, em outubro foram emplacados 208.814 automóveis – um aumento de 20,56% em comparação com o mês anterior, quando foram vendidas 173.193 unidades. Desde janeiro, apenas quatro modelos se repetem todos os meses no ranking dos 10 mais emplacados: Chevrolet Onix, Hyundai HB20, Volkswagen Gol e VW Polo.

*Ranking dos 10 veículos mais emplacados em outubro, de acordo com a Fenabrave
*Ranking dos 10 veículos mais emplacados em outubro, de acordo com a Fenabrave

Seguindo a tendência dos últimos estudos, o Chevrolet Onix continua a ser o carro mais emplacado no Brasil, com 22.324 unidades em outubro contra 17.981 registradas em setembro. O preço médio do seguro para o modelo de entrada para o sexo masculino custa atualmente R$ 2.238, um decréscimo de 10% em relação à cotação do mês anterior, que ficou em R$ 2.478. Já para o perfil feminino, o valor médio atual é de R$ 2.094 ante R$ 1.557 – um acréscimo de 34%.

Entre setembro e outubro, dos dez modelos mais vendidos, nove são os mesmos. Neste mês, o Renault Sandero apareceu na nona posição entre os 10 mais emplacados, tirando o Toyota Corolla do ranking.

O melhor custo-benefício

Na hora de escolher o veículo que apresenta o melhor custo-benefício, ou seja, a melhor relação entre o preço médio do seguro e o valor de mercado do veículo (price ratio), o Jeep Compass e o Chevrolet Ônix são os mais vantajosos para os homens – ambos com price ratio de 5,4%. Já para o público feminino, o Chevrolet Prisma é o modelo com a relação mais interessante, com o valor do seguro representando 4% do valor de mercado do veículo.

Na outra ponta, o modelo que menos vale a pena em termos de custo-benefício para o perfil masculino é o Volkswagen Polo, com price ratio de 8,9%. Para as mulheres, a relação de preço menos interessante ficou com o Volkswagen Gol, com price ratio de 5,4%.

*Variação por preço de seguro (price ratio) (azul: homens; vermelho: mulheres)
*Variação por preço de seguro (price ratio) (azul: homens; vermelho: mulheres)

Variação entre as cidades

O seguro mais em conta entre as cidades estudadas é o cobrado em Brasília, onde os motoristas pagam R$ 1.886, considerando a média do preço do seguro dos dez modelos mais vendidos em outubro para homens e mulheres. O mais caro foi registrado no Rio de Janeiro, onde a cotação média ficou em R$ 3.126 para os dois perfis.

Na média de preços este mês, o valor do seguro é maior para os homens do que para as mulheres em todas as cidades. A média mais alta foi registrada em Porto Alegre, chegando a R$ 3.753 para o perfil masculino versus R$ 2.283 para as mulheres na mesma cidade.

 

*Variação do preço médio do seguro por cidade (azul: homens; vermelho: mulheres)
*Variação do preço médio do seguro por cidade (azul: homens; vermelho: mulheres)

Mais detalhes

Confira, abaixo, as tabelas com os dez veículos mais vendidos em outubro, de acordo com a Fenabrave, e o valor do seguro para cada modelo nos perfis analisados pela Bidu. As cotações de seguro foram realizadas no dia 5 de novembro de 2018. Para mais dados e gráficos de análise, confira o relatório completo da Bidu para este mês, assim como edições anteriores.

*Perfil A: homem de 35 anos, casado, sem filhos, com garagem em casa e no trabalho, e que está contratando o seguro pela primeira vez.
*Perfil A: homem de 35 anos, casado, sem filhos, com garagem em casa e no trabalho, e que está contratando o seguro pela primeira vez.
*Perfil B: mulher de 35 anos, casada, sem filhos, com garagem em casa e no trabalho, e que está contratando o seguro pela primeira vez.
*Perfil B: mulher de 35 anos, casada, sem filhos, com garagem em casa e no trabalho, e que está contratando o seguro pela primeira vez.

Todos os preços dos seguros apresentados são para vigência de um ano. Todas as cotações foram realizadas no dia 5 de novembro.

Porto-Alegrense ganha R$ 3 mil reais por mês cuidando de cachorros em casa 356

Cachorro

Professora de português e italiano concilia aulas com a hospedagem de cães

Ana Nunes, de 44 anos, tinha uma escola de português e italiano para estrangeiros. No ano de 2016, decidiu mudar sua vida, já que não conseguia dar a atenção necessária para a sua filha de 8 anos. Começou dando aulas particulares, mas a renda não cobria as despesas mensais. Foi com a DogHero, aplicativo que conecta pais de cachorro a anfitriões que hospedam cães em casa, que ela encontrou uma nova forma de complementar sua renda, fazendo algo que sempre sonhou: cuidar de cachorros. Atualmente, ela ganha cerca até R$ 3 mil reais por mês com a atividade, sem sair de casa.

Apaixonada por animais, Ana sempre procurou formas de estar próxima dos cachorros. Antes de conhecer a DogHero, ajudou ONGs de proteção animal. “Hoje ainda dou aulas particulares, mas minha qualidade de vida em relação à quando trabalhava na escola mudou muito. Consigo tomar sol durante a tarde e ainda plantar minhas flores que gosto muito”, diz Ana. Em feriados e datas importantes, como Natal e Ano Novo, a renda mensal aumenta com a demanda de tutores buscando a anfitriã, já que muitas pessoas viajam nesse período. Já são mais de 1000 anfitriões ativos no aplicativo apenas no Rio Grande do Sul e 23000 cachorrinhos cadastrados no estado.

Para se tornar anfitrião na DogHero é preciso cumprir requisitos de segurança da residência e realizar testes de conhecimentos sobre cães. Cerca de 20% dos candidatos são aprovados. Além de responderem um formulário online que leva cerca de duas horas, a empresa pede fotos dos ambientes da casa, para ter certeza de que o cão estará seguro e bem cuidado. Além disso, após a aprovação, o app disponibiliza cursos online (Escola de Heróis): os anfitriões assistem às aulas e realizam provas para aprimorar os conhecimentos sobre os cuidados com os cães. Todas as experiências são avaliadas pelos clientes: 98,7% das notas dadas aos anfitriões são 5 estrelas.