Perdas com ciberataques podem ultrapassar US$ 2,1 trilhões até 2019 103879

Segurança digital é o tema do momento

Os ataques globais registrados durante todo o ano de 2017 expuseram como nunca uma questão contemporânea: os riscos cibernéticos, bem como as perdas potenciais oriundas destas ações. Até 2019, estima-se que as perdas podem atingir US$ 2,1 trilhões, de acordo com um estudo da Cyber Handbook.

Tudo que evolui para o bem da sociedade, também evolui para o mal. O que antes parecia ficção científica tornou-se realidade. Sistemas de hospitais, energia elétrica e telefonia em mais de 74 países foram atingidos pelos temidos ataques ransomware, onde é exigido o pagamento de um resgate para liberação do acesso aos documentos do usuário.

Maior alvo de ciberataques na América Latina, o Brasil também registrou contratempos com ataques do gênero. O empresário Augusto Lisboa (nome fictício), revela que teve seu servidor com todo o banco de dados necessário para o funcionamento de sistemas e serviços afetado pelo programa malicioso. “Mesmo com o pagamento exigido pelos hackers, nosso sistema não foi restabelecido”, conta ao lembrar que não houve nenhum comportamento suspeito nos computadores da rede antes do ataque.

O pagamento, ao qual a vítima se refere é realizado em Bitcoins, uma moeda virtual criptografada que impede o rastreamento. Em média, é cobrado US$ 300 por computador, mas o valor varia. Um Bitcoin era cotado a R$ 26.914,86 no dia 17 de novembro.

Os riscos cibernéticos foram tema central de um fórum organizado pela seguradora AIG, onde Luiz Milagres, Gerente de Riscos Cibernéticos da consultoria Ernst Young, ressaltou a percepção de amadurecimento das empresas brasileiras em relação ao assunto. “Cerca de 40% das empresas listadas na Bolsa de Valores já incluem em seus relatórios informações sobre investimentos em segurança digital. Isso mostra o quão sensível é o tema”, afirma ao ressaltar que 68% dos ataques partem de dentro da própria organização.

Além da perda de dados e da extorsão, ficam os ditos “lucro cessantes” e os prejuízos institucionais à imagem da empresa. A boa notícia é que, apesar do crescente temor causado pelos atos recentes, existem opções disponibilizadas pelo mercado de seguros para minimizar o impacto deste problema. Segundo a corretora Marsh, as contratações deste tipo de seguro somam aproximadamente US$ 2 bilhões e devem bater US$ 20 bilhões até 2025. Os Estados Unidos continuam a ser o maior mercado de seguros cibernéticos, onde quase 20% de todas as organizações têm cobertura contra estes riscos.

Este tipo de cobertura está disponível em terras tupiniquins desde 2012. “Trata-se de um seguro que não se limita apenas à proteção contra os riscos, mas sim uma solução para o gerenciamento da exposição cibernética de uma empresa”, explica Flavio Sá, gerente de linhas financeiras da AIG Brasil.

Segundo Ana Albuquerque, Gerente de Linhas Financeiras da Willis Towers Watson, a busca por este tipo de cobertura cresceu 143% em 2016. Hospitais, instituições financeiras, tecnologia, varejo, alimentos e bebidas estão entre os cinco segmentos que mais contratam seguros cibernéticos. É um novo nicho de mercado a ser explorado pelos Corretores de Seguros, os profissionais devidamente habilitados a realizarem uma consultoria profissional sobre as reais necessidades de empresas e consumidores que desejam ter uma garantia para que este problema não seja prejudicial a ponto de desestabilizar os resultados financeiros e tornar-se, assim, irreversível.

“Este tipo de proteção ainda é recente, mas está em evolução e o mercado de seguros sempre vai de encontro às mudanças da sociedade”, pensa Fernando Cirelli, executivo responsável pelo produto de Seguro Digital na BR Insurance. “É um produto complexo e com uma linguagem específica, mas aplicável a todos os ramos de atividades”, completa ao projetar que, em um futuro próximo, possivelmente, o seguro residencial, por exemplo, deve disponibilizar cobertura para dispositivos conectados.

Além dos ataques ransomware, o phishing (ver quadro) é um dos golpes mais comuns na rede, reitera Temistocles Mendes, Gerente Comercial de Identidade e Acesso da Gemalto. A empresa é especialista em soluções mundiais em tecnologia e também indexa os ataques reportados em nível mundial. Mendes ainda lembra que com o advento “internet das coisas” deve explodir o número de dispositivos suscetíveis a invasões e que as pequenas e médias empresas são as mais afetadas, pois, normalmente, não possuem estratégias de segurança digital.

De encontro a isso está a digitalização completa de processos até então burocráticos. É o que diz Alessandro Buonopane, Head of Insurance no Brasil da consultoria em tecnologia GFT. “Estamos evoluindo rapidamente e pensar a médio e longo prazo é necessário. As próprias seguradoras tornam suas tarefas mais acessíveis, seja na comunicação com o corretor ou na abertura de sinistros, que hoje pode ser feita por aplicativos móveis”, conta. “Vivemos uma nova era para os serviços financeiros”, diz ao lembrar do processo de digitalização dos bancos, que ocasionou na demissão de 20 mil profissionais que atuavam em agências físicas, como informou recentemente o Banco Central.

É consenso geral que o descuido do próprio usuário com acesso à rede é a maior causa dos problemas relacionados a segurança digital. Os ataques mundiais aconteceram devido a uma falha do Windows, que já contava com atualização que corrigia o problema. Nas versões mais recentes do sistema operacional uma funcionalidade que previne este tipo de ataque aconteça. Cabe ressaltar que também foram registrados ataques no Linux, mas em escala muito menor e isolada.

“A evolução diária dos riscos cibernéticos demanda atenção sobre o nível de segurança da informação corporativa dos usuários e a seguradora tem como missão cuidar dos recursos que garantem a continuidade dos negócios”, afirma Carlos Cortés, Head de Risk Engineering da Zurich no Brasil. A companhia é uma das poucas que também fornece seguro para riscos digitais que oferece proteção financeira à empresa em casos de responsabilidade civil decorrente de ameaças cibernéticas ou atos de violação de segurança ou de privacidade, incluindo proteção em casos de investigações formais e inquéritos.

Seguradores comentam a participação no 11º Encontro Regional Feminino de Corretoras de Seguros 83

Evento acontecerá no dia 31 de maio

O maior evento da Região Sul do Brasil dedicado única e exclusivamente às mulheres, que acontecerá no próximo dia 31 em Porto Alegre, ganhou o apoio das mais importantes seguradoras do país. Os executivos compreendem a importância de um Encontro Feminino de Corretoras de Seguros e incentivam a promoção com seus importantes patrocínios. “A realização de encontros dessa grandeza, fortalecem e valorizam a participação feminina no mercado de seguros. Os temas abordados durante o evento proporcionam aprendizagens e reflexões importantes para o dia a dia da mulher, seja na vida pessoal quanto no trabalho”, destaca Ana Maria Pinto, Assessoria de Marketing e comunicação do GBOEX.

“Ninguém tem mais competência para proteger o patrimônio, a vida e a saúde dos clientes do que o Corretor de Seguros. E entre esses profissionais, nenhum outro tem a sensibilidade e o senso natural de proteção do que a mulher. Não por outra razão as mulheres, corretoras de seguros, têm tanto sucesso e têm cada vez mais ocupado esse mercado. A HDI está sempre ao lado dos Corretores de Seguros e faz absoluta questão de apoiar e participar do 11º Encontro Estadual Feminino de Corretoras. Agradecemos a todas as mulheres que fazem do nosso mercado um lugar melhor para praticarmos a arte de servir e proteger”, destaca Rubens Oliboni, Diretor Regional RS da HDI Seguros. “Participar do Encontro Estadual Feminino de Corretoras de Seguros alia duas premissas da Sompo. A primeira é atuar sempre próximo das empresas e profissionais da área de corretagem de seguros, que é uma das características mais marcantes pela qual a companhia é reconhecida no mercado hoje. A segunda é a de incentivar e promover a diversidade. Na Sompo, as mulheres já representam a maior parte de nosso quadro de colaboradores e, no Rio Grande do Sul, contamos com mulheres que empregam alto gabarito profissional em negociações complexas e no suporte a corretoras e segurados no dia a dia. Com isso, contribuem com desenvolvimento do mercado de seguros no nosso Estado”, corrobora Alberto Mullher, Diretor Comercial da Sompo Seguros para a Região Sul.

“É uma honra para a SulAmérica contribuir em diálogos tão importantes como os que teremos no encontro. Vivemos em um contexto social de mulheres cada vez mais empoderadas e com presença forte em diferentes segmentos, sendo um cenário que tende a avançar em escala mundial, mas que ainda necessita de debate e construção de pensamento. Na SulAmérica temos hoje um quadro importante de corretoras parceiras que, por meio de um relacionamento sólido com os clientes, contribuem para a segurança e a tranquilidade da população e para o desenvolvimento do mercado segurador”, finaliza Gilson Bochernitsan, Diretor Comercial da SulAmérica para a Região Sul.

Graduação Tecnológica oferece quatro formas de ingresso 77

Em apenas dois anos, aprovados garantem diploma de nível superior e certificações profissionais

No dia 25 de maio (sábado), será realizado mais um processo seletivo para formação das turmas do segundo semestre da Graduação Tecnológica em Gestão de Seguros, ministrada pela Escola Nacional de Seguros (ENS). As aulas terão início no dia 5 de agosto, no Rio de Janeiro (RJ) e em São Paulo (SP).

Além do vestibular, a ENS oferece outras três formas de ingresso: aproveitamento da nota do ENEM, transferência externa e apresentação de diploma de nível superior. Alunos oriundos das duas últimas condições têm direito a bolsa de estudos de 30% e aqueles que utilizarem a nota do ENEM poderão receber bolsa de até 40%, desde que comprovem desempenho mínimo de 700 pontos.

A graduação garante aos aprovados diploma de nível superior em apenas dois anos, além de certificações profissionais ao final de cada semestre. Os egressos que desejarem dar prosseguimento aos estudos na ENS poderão fazer o Bacharelado em Administração com Linha de Formação em Seguros e Previdência ou cursos de pós-graduação e MBA.

Outro benefício reservado a quem concluir o curso é a gratuidade para prestar o Exame para Habilitação de Corretores de Seguros, aplicado pela ENS. Assim, fica facilitado o acesso a mais uma formação profissional.

Nas duas cidades, as aulas acontecerão à noite, sendo que, em São Paulo, também há oferta de turma matinal. Investimento, edital, disciplinas, corpo docente e demais detalhes da graduação estão disponíveis no endereço profissaosegura.com.br, onde também é possível efetuar inscrição.

Último dia para participar de curso sobre Inovação, em Portugal 77

Participantes terão a oportunidade de aprender sobre Inovação no país considerado berço das start-ups

Termina hoje (20) o prazo para inscrições no Programa de Treinamento no Exterior que será realizado em Lisboa, em Portugal, entre 24 e 28 de junho. Lançado neste ano, o curso inédito irá abordar o tema “Inovação em Seguros – A Indústria em Transição”.

Resultado de parceria entre a Escola Nacional de Seguros (ENS) e a Universidade NOVA de Lisboa (Jurisnova), o programa irá proporcionar aos participantes uma formação de extensão e atualização acadêmica em um tema que domina as atenções no mundo corporativo.

Não por acaso, Portugal foi o país escolhido para sediar o treinamento, já que é considerado o berço das start-ups e desfruta de grande prestígio e credibilidade quando os assuntos são modernidade e inovação. O investimento é de seis parcelas de U$ 325,00, pagas no cartão de crédito. Alunos e ex-alunos dos MBAs da ENS têm valor diferenciado, de seis parcelas de U$ 260,00.

Interessados em concorrer às vagas remanescentes devem enviar currículo para análise, para o e-mail parcerias@ens.edu.br. Curso superior completo e experiência de dois anos no mercado de seguros são pré-requisitos. Todos os detalhes do curso estão disponíveis no site ens.edu.br.

Velox Contact Center participa do maior evento internacional de segurança 116

Em São Paulo, empresa também promoverá workshop sobre inovação e tecnologia em rastreamento

A próxima semana promete muito network para a Velox Contact Center, que participará de grandes eventos. Nos dias 21 a 23, a empresa estará presente no maior evento internacional de segurança, o EXPOSEC, que acontecerá no São Paulo Expo, com o seu Stand localizado a rua 400, nº: 429/431.

“[Os executivos] pretendem surpreender os visitantes da feira de negócios com algumas novidades, como pré-lançamentos
de serviços que em breve estarão disponíveis para comercialização e melhoria nos processos de seus clientes e Prospets”, lembra a empresa. O gerente comercial Gilson Silva também fará uma palestra no dia 22 às 14h, com a temática “A importância de um atendimento de qualidade”.

Além disso, a Velox também realizará um workshop sobre inovação e tecnologia em rastreamento em São Paulo. O Hotel Mercure (Rua São Carlos de Pinhal, 87) receberá a ação que acontecerá às 8h, com palestra da consultora comercial Gabriela Ferreira, que falará sobre como estabelecer alvos no meio corporativo para se obter sucesso no mercado.

Grupo Autosul e EPTC promovem curso Mecânica para Mulheres 128

Ação é gratuita e acontecerá no sábado (25)

O Grupo Autosul e a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) promovem novo curso de Mecânica para Mulheres. A ação acontecerá no sábado (25) às 9h no auditório da EPTC (Rua João Neves da Fontoura, 07), em Porto Alegre. Além disso, é gratuita e contará com certificado às participantes.

A partir desta segunda-feira (20) estão abertas as inscrições, que podem ser feitas através deste link. “A psicóloga Patrícia Lemos Kayser falará sobre o seguinte tema: Como vencer o medo de dirigir! O curso aborda temas como suspensão, lubrificação, elétrica, freios, refrigeração, transmissão, pneus, luzes do painel e funcionamento do motor, entre outras questões”, informa a EPTC que também ressalta que, segundo dados do Detran/RS, são 271.945 (39%) mulheres habilitadas para conduzir veículos em Porto Alegre e 424.594 (61%) homens.

*Informações da EPTC.