Megacidades e os “mega-desafios” de mobilidade 3071

Cidade

Explosão no crescimento do número de grandes cidades e sua população tornou a mobilidade urbana um problema que implora por atenção

É um fenômeno novo e difícil. Por séculos, pessoas têm se mudado do campo em busca de educação e oportunidades de trabalho. De volta a 1800, quando Pequim se tornou a primeira cidade da era moderna com um milhão de habitantes, apenas duas pessoas a cada 100 viviam em cidades.

Já em 2017, pela primeira vez, a maioria da população viveu em áreas urbanas e não mais rurais. A projeção é que isso cresça para 66 pessoas a cada 100 até 2050. Ainda nada tem marcado o triunfo das cidades como a ascensão das megacidades. Nova York foi a primeira que passou da marca de 10 milhões de habitantes em 1950. Desde então, o número de megalópoles cresceu rapidamente. Em 2016, elas eram 31, a maioria na Ásia, incluindo Pequim, Xunquim e Xangai na China e Deli e Mumbai na Índia.

O Japão tem Tóquio, que, com 37,8 milhões de habitantes, tem a maior aglomeração urbana de pessoas no mundo, e Osaka. Existem mais pessoas “compactadas” dentro da cidade de Carachi no Paquistão (27 milhões) do que as contabilizadas no continente inteiro da Austrália (24 milhões). A China já começou a construir a infraestrutura para Jing-Jin-Ji, a megalópole prevista para englobar Pequim, Tianjin e Hebei, com 130 milhões de pessoas e será 137 vezes o tamanho de Londres.

O problema da aglomeração

  • Tóquio é a maior cidade do mundo com 38 milhões de habitantes.
  • Deli é a segunda com 25 milhões, seguido por Xangai com 23 milhões e Cidade do México, Mumbai e São Paulo, cada uma com cerca de 21 milhões de cidadãos.
  • Tóquio está prevista para permanecer como a cidade mais populosa do mundo com 37 milhões de habitantes, seguido por Deli, onde a projeção é que a população cresça rapidamente até 36 milhões

Sinais vermelhos

Como as grandes metrópoles ao longo da história, as megacidades oferecem oportunidades de cultura, negócio, conhecimento e indústrias. As multidões são guiadas pela esperança e pobreza existentes no campo. Entretanto, existem os lados negativos de reunir tantas pessoas dentro de espaços tão pequenos.

Além da criminalidade, escassez de água, destruição e desperdício do meio ambiente, os serviços frequentemente se mostram inadequados frente às crescentes demandas. Muitas pessoas em lugares, como Manila nas Filipinas, Cidade do México e Mumbai, na Índia, simplesmente acabaram trocando a esmagadora pobreza rural pelas favelas urbanas.

Movimentos restritos

Nas grandes cidades, mobilidade é um problema frequentemente subvalorizado. O tópico foi discutido durante a “Urbagora”, a primeira conferência europeia a respeito do futuro da vida urbana, organizado pelo Instituto de Megacidades, localizado na cidade de Paris – a organização sem fins lucrativos foi cofundada pela Allianz França. Entre os temas abordados no encontro, foi citado, por exemplo, como o alucinante crescimento urbano da China ajudou a impulsionar a economia do país nas últimas três décadas. Hoje a China tem seis grandes cidades e outras 100 são a residência de um milhão ou mais de pessoas.

Mais “urbanóides”, mais dinheiro, o que significa mais rodas nas estradas. O número de carros na China cresceu de 59 milhões em 2007 a pouco mais de 300 milhões, de acordo com o Ministério Chinês de Segurança Pública.

Uma das consequências é que a China agora tem 10 das 25 cidades mais congestionadas globalmente. A velocidade média na hora de rush em Jinan, a capital da província de Shandong, província no nordeste da China, é abaixo de 20 km/h – a mais lenta do mundo. As estradas em Pequim e Xangai estão frequentemente congestionadas. A China está longe de ser a única a ter problemas com mobilidade. Em São Paulo, metade de todos os adultos gasta pelo menos duas horas por dia no trânsito, o que faz a média de uma hora por dia de Nova York parecer tranquila.

Mais rodas, mais problemas

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Megacidades, com as 20 maiores cidades no mundo, identificou cinco problemas críticos relacionados à mobilidade urbana – problemas de estacionamento, congestionamento, áreas verdes limitadas e poluição sonora e do ar.

A poluição no ar é a maior preocupação dos moradores das cidades. Por exemplo: em 2013, Xangai sofreu durante 124 dias quando uma camada superfina de poluição excedeu 600 microgramas por metro cúbico. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda não mais que 10 microgramas e estima que a poluição em espaços abertos causou 3 milhões de mortes prematuras no mundo em 2012.

As emissões do trânsito continuam a contribuir significativamente para as condições ruins do ar que permanecem como pragas das cidades chinesas. Em âmbito mundial, em 2014, a OMS estimou que 92% da população estava vivendo em lugares onde a orientação dos níveis de qualidade do ar não eram cumpridas.

População urbana inteligente

Cidades cobrem mais ou menos 2% da superfície, mas consomem cerca de 75% dos recursos naturais, de acordo com a Euramet. Megacidades são particularmente vorazes no consumo de recursos. As Nações Unidas projeta que o número de megacidades irá subir para 41 em 2030. Até lá, elas abrigarão cerca de 9% da população global.

Então, como podemos lidar com a rápida e contínua urbanização no mundo?

Inovação e novas tecnologias podem prover as ferramentas necessárias para fazer as cidades mais inteligentes e reduzir o impacto negativo do estilo de vida adotado nelas.

Novo executivo da Sompo dará suporte a projetos de infraestrutura de TI e Transformação Digital 276

Paulo Cesar Parcesepe é o novo superintendente de Infraestrutura de Tecnologia da Informação (TI)

Contratação é parte dos investimentos da segurado em capital humano especializado

A Sompo Seguros S.A, empresa do Grupo Sompo Holdings – um dos maiores grupos seguradores do mundo, acaba de contratar Paulo Cesar Parcesepe como novo superintendente de Infraestrutura de Tecnologia da Informação (TI). O executivo, que conta com quase 40 anos de experiência na área de serviços de TI para o setor financeiro, chega para contribuir na gestão de projetos que integram os investimentos da companhia em incremento das soluções de tecnologia e transformação digital.

“Chego com desafio de contribuir com o provimento de uma infraestrutura de TI que suporte o crescimento de negócios da Sompo de acordo com a demanda, bem como a implementação da transformação digital de nossos serviços”, afirma Parcesepe. “Nossos projetos levam em conta sempre o que há de mais moderno em termos de tecnologia. Com isso, vamos conseguir trazer mais agilidade, alta disponibilidade, desempenho, segurança das informações e custo x benefício adequado”, considera.

Paulo Cesar Parcesepe é formado em Matemática pela Pontifícia Universidade Católica (PUC/SP) e conta com dois MBAs, um deles em Conhecimento, Tecnologia e Inovação e o outro em Informática e Tecnologia Internet, ambos pela Fundação Instituto de Administração da Universidade de São Paulo (FIA/USP). Conta com quase 40 anos de experiência na área de serviços de TI voltados ao setor financeiro, tanto em empresas quanto em consultorias e fornecedores de serviços integrados de tecnologia. Nesse período, desenvolveu projetos de gestão nas áreas de Infraestrutura de TI, Telecomunicações, Segurança da Informação, Sistemas de Aplicação e Gerenciamento de Projetos. Atuou em bancos e grandes seguradoras, entre as quais, a Marítima Seguros, uma das marcas que deram origem à Sompo no Brasil, quando liderou a implementação da área de segurança da informação, além de projetos de Planejamento de Continuidade de Negócios, entre outros.

“A Sompo estabeleceu um plano de desenvolvimento e implementação de novos recursos de inovação e tecnologia que vai dar suporte às estratégias de crescimento. Além disso, vamos trazer mais ferramentas para interação com corretores de seguros e segurados, o que vai melhorar substancialmente a experiência do cliente, a eficiência e eficácia da companhia”, lembra Guilherme Muniz, diretor de TI da Sompo. “O investimento em capital humano é uma parte importante dessa estratégia e o Paulo vai agregar, além do amplo conhecimento acumulado em décadas de experiência, sua capacidade de liderar e gerir projetos de alta sofisticação tecnológica que pretendemos implementar nos próximos anos”, conclui.

Zurich dá dicas para compras online mais seguras 356

Zurich

Conexões confiáveis, a utilização de cartões de crédito e antivírus são apenas algumas das sugestões da seguradora

A Black Friday está chegando e com ela centenas de milhares de promoções. A data, que se originou nos Estados Unidos, marca o fim do Dia de Ação de Graças e o início dos preparativos para as festas de fim de ano. A proposta é liquidar os produtos das prateleiras e abrir espaço para as novidades do Natal.

A data, marcada pelo alto consumo, tomou o planeta e abriu espaço para diversos riscos àqueles menos preparados na rede. Navegar em sites suspeitos ou clicar em links de origem desconhecida são algumas das ameaças durante a Black Friday. Pensando nisso, o time de segurança da informação da Zurich reuniu aqui algumas dicas para quem quer encher os carrinhos virtuais livre de dores de cabeça e rugas de preocupação.

O site

Mesmo frente ao grande número de ofertas disponíveis na web, é importante que o cliente faça suas compras em sites de confiança e que confira duas vezes se o endereço da loja está escrito de maneira correta. Deve-se certificar que o endereço online começa com “https” e possui o símbolo de um cadeado, que sinaliza que o cliente está compartilhando dados em um site de confiança. Evitar ofertas recebidas através de e-mails desconhecidos e pop-ups também é sempre recomendável – especialmente em épocas como essa. Ao fim da compra, o usuário deve devidamente fazer o logout da loja online e salvar uma cópia do e-mail de confirmação da compra.

Os dados

É essencial manter o antivírus e sistema operacional sempre atualizados. É uma maneira simples de garantir que os dados pessoais do comprador estejam protegidos. Informações, como datas de nascimento e números de documento, podem ser um sinal de alerta. Usar senhas diferentes para cada site também dificulta que alguém invada a conta do cliente.

O banco

O cliente deve ter controle regular de todas as movimentações bancárias de sua conta, para, no caso de encontrar algo suspeito, poder notificar o banco o quanto antes. Evitar a utilização de cartões de débito também é altamente recomendado. Os cartões de crédito são recomendados uma vez que a maioria das empresas operadoras possui proteção contra fraudes.

O computador

Em hipótese alguma se deve utilizar um computador público para a efetuação de qualquer tipo de pagamento. É importante fazer logout de toda e qualquer conta à qual o consumidor possa estar conectado. Para casos em que o comprador está usando seu computador pessoal em uma área pública, é preferível a utilização de conexões privadas para a efetuação de compras e, ainda assim, deve-se ter total atenção que não hajam pessoas tentando bisbilhotar as informações pessoais detalhadas na tela.

Allianz Seguros automatiza cotação residencial e dá mais agilidade aos corretores 279

Cotação Allianz Residencial

Parceiros de negócios ganharam mais tempo para incrementar produtividade

O sistema de cálculo do Allianz Residência tem como base a simplicidade e a agilidade, assim como o do Allianz Auto Instituto Ayrton Senna. O atual modelo de negócio da Allianz Seguros, aplicado nos produtos massificados, além de gerar ganho operacional à seguradora e aos seus parceiros de negócios, incentiva a diversificação de ofertas, fundamental para o atual cenário do mercado de seguros brasileiro.

Por meio da nova estratégia, a Allianz espera alavancar as vendas e a adesão de consumidores ao seguro residência. “O nosso trabalho está voltado para a disponibilização de um sistema eficiente e que dá mais autonomia aos corretores. Com a tecnologia implementada, esperamos garantir entrega mais rápida e adequada desde a cotação até o sinistro”, diz David Beatham, diretor de Massificados e Vida da Allianz Seguros.

Hoje, em menos de um minuto é possível cotar o Allianz Residência. O processo é feito com o preenchimento de somente 14 campos. Caso o cliente já esteja na base de dados da seguradora, a quantidade de lacunas cai para 11. A agilidade foi conquistada graças à automação, que permite busca de informações em bases internas e externas.

Aliadas às inovações no sistema de cotação estão as ampliações no produto. O Allianz Residência passou a amparar veículo estacionado na garagem em caso de incêndio e Danos Morais na cobertura de Responsabilidade Civil Familiar. Um pacote completo de assistência 24 horas, inclusive para residências de veraneio; opção de contratação de residência com escritório, ou seja, o segurado não precisa contratar cobertura à parte para esse último espaço.

Jovens são protagonistas na promoção de cultura, direitos humanos e educação 432

Organizações sociais

Em mapeamento inédito de organizações também aponta desafios para sustentabilidade

Elas e eles lutam por visibilidade, acesso ao ensino superior, buscam maior representatividade política, interpretam a sociedade brasileira na literatura e na música e sua cultura em slams, rodas de rima e bailes funk. Reunidos em coletivos com variados graus de organização, os jovens são protagonistas nas organizações que trabalham com temas do movimento negro.

A conclusão é um dos destaques da Pesquisa Nacional sobre Organizações de Juventude Negra. Realizado pelo Itaú Social em parceria com o Observatório de Favelas, o estudo partiu de um mapeamento inicial de 200 entidades do movimento negro, que evidenciou a predominância das ações para jovens. Em seguida, a equipe de pesquisa desenhou um perfil das organizações de juventudes negras, usando como base informações detalhadas fornecidas por 40 Organizações da Sociedade Civil (OSCs), responsáveis por 63 projetos.

O retrato indica um cenário de ação de jovens para jovens: a juventude é o foco exclusivo das atividades de 70% das instituições pesquisadas, sendo que a grande maioria delas, 92%, possui jovens de até 29 anos entre seus colaboradores. Com localização concentrada nas regiões Nordeste (38%) e Sudeste (30%) – seguidas por Norte, Sul e Centro-Oeste -, as organizações apresentam escopo variado de atuação. Os três temas mais prevalentes são arte e cultura, direitos humanos e educação.

“É uma juventude extremamente propositiva, que pauta e reivindica sua visibilidade nos espaços público, político e de aprendizagem. E que está constantemente buscando novas maneiras de somar forças para o enfrentamento das desigualdades”, explica Juliana Yade, especialista em educação do Itaú Social e uma das coordenadoras da pesquisa.

O estudo evidenciou, ainda, um cenário incerto para a manutenção das organizações. O principal gargalo é o financiamento, intermitente e efêmero, fazendo da captação uma tarefa árdua sobretudo em organizações com poucos colaboradores (78% delas têm no máximo 30 integrantes). “A maioria das OSCs depende de projetos que, em geral, duram 12 meses. São ínfimos os que recebem apoio institucional”, afirma Juliana.

Num cenário de crise, ganham espaço soluções colaborativas como as parcerias – compartilhamento de espaço, serviços e metodologias com outras entidades sem envolver recurso financeiro. “Atualmente, 28 dos 63 projetos participantes só se viabilizam por meio de parcerias sem qualquer recurso financeiro, o que traz desafios para sua implementação e continuidade”, diz a pesquisadora.

Apesar das dificuldades, a pesquisa conclui pelo dinamismo das organizações de juventudes negras. A todo tempo, associações, coletivos e organizações da sociedade civil criam novas ferramentas para combater o racismo institucional. “Reconhecer a importância e também as dificuldades desse movimento é um caminho para entender e apoiar iniciativas que dialoguem com a equidade étnico-racial”, finaliza Juliana.

Confira o levantamento na íntegra.

Quanto vale a sua corretora de seguros? 912

Consultoria auxilia empresários a avaliar e tomar decisões para o rumo de seus negócios

O valor de uma marca pode ser estudado através da análise de diversos aspectos, que são importantes para que se defina a sua grandeza tanto para seus clientes quanto para o próprio empreendimento. No mercado das corretoras de seguros, isso é ainda mais relevante, tendo em vista que o ramo possui características próprias que o diferem dos demais, como sucessão de carteira de negócios, por exemplo.

Ricardo Padilla auxilia colegas de profissão a avaliarem suas empresas corretoras de seguros. Matheus Pé/JRS

Em função de suas individualidades, um estudo acerca do valor de uma determinada corretora de seguros exige conhecimento da área. E foi neste ambiente que Ricardo Padilla enxergou a oportunidade de auxiliar colegas de profissão, através de uma consultoria detalhada que permite uma visualização ampla do negócio. “Analisamos a corretora que nos solicita da forma mais profunda possível, tanto receita, despesa, a parte contábil, produção, sinistro e todos os departamentos”, conta o diretor da Padilla Corretora de Seguros.

A maioria das empresas chegam com a intenção de promover a venda futura do empreendimento. “Geralmente eles querem conhecer mais a corretora, ou ele tem 4 ou 5 sócios e um dos sócios quer sair por um motivo ou outro. Ele também pode estar pensando em sair e vender a parte dele, ou até uma fusão, aquisição ou venda parcial”, dá algumas opções do que pode acontecer. “Então, ele está sempre procurando, de certa forma, o crescimento profissional, através de ampliação de fonte de produção, de sócios, do mercado de trabalho, filiais. Enfim, uma série de circunstâncias que faz com que o colega chegue até aqui, até nós”, complementa.

Muitas empresas corretoras são administradas por famílias, porém em alguns casos os filhos escolhem outra profissão e o corretor responsável com o tempo não consegue atender sua carteira de clientes. Em situações como essas é que a Consultoria é muito importante para orientar a melhor forma de administrar a empresa. “Quando os filhos acabam buscando um outro rumo, o corretor responsável com uma certa idade vem a ter esse tipo de preocupação. Eu diria que 50% tem esse problema de sucessão”, conta.

Para desenvolver este trabalho, a Padilla montou uma equipe multidisciplinar. “Contamos com profissionais da área da engenharia, administrador de empresas, contadores, advogados e professores da Escola Nacional de Seguros. Nós temos uma equipe completa em que todos opinam a respeito de uma possível avaliação que fazemos”, detalha. Segundo ele, é essa visão externa que pode ajudar os proprietários a tomar decisões. “[Isso] pode mudar o rumo de um planejamento  e pode fazer com que se possa aumentar a receita, diminuir despesas e uma série de outras providências que podem acontecer a partir de uma consultoria bem feita”, afirma, ao salientar que atende uma média de 4 a 6 empresas por ano.

O sócio Tiago Becker é quem fica responsável pelas métricas de avaliação nos 60 dias que geralmente o trabalho exige. “Normalmente as métricas que mais avaliamos é a questão do crescimento dos últimos 3 anos da empresa, vendo mês a mês e comparando com anos anteriores”, comenta. Outras avaliações importantes são o tempo que a empresa tem de mercado, qual é o ramo mais específico que ela trabalha, se ela tem um mix de carteira mais amplo ou se ela é mais específica em algum dos ramos. “Normalmente, a marca é muito mais valorizada quando a empresa tem mais de 30, 40 anos de atuação, por isso que as marcas aqui no Sul são bem positivas”, relata.