Corretor de seguros: um solucionador de problemas 1371

Marcos Trevisan, da Sustentare, é destaque em live do Clube da Pedrinha RS

Co-Fundador da Sustentare Seguros participou de Live do Clube da Pedrinha (RS)

Na última segunda-feira (26), o Clube da Pedrinha em Seguros (RS) realizou uma live no Instagram dedicada ao Mês do Corretor de Seguros. Quem participou do momento, mediado pela presidente do Clube, Suellen Farias, foi o Co-Fundador da Sustentare Seguros, Marcos Stock Trevisan. Durante o bate-papo, o executivo revelou a trajetória de muito trabalho e dedicação aos projetos em que esteve e está envolvido. “Sempre fui muito simples, mas sempre dedicado por onde eu passava. Hoje em dia a impressão que alguns jovens passam é que primeiro uma empresa precisa mostrar o que vai dar para depois o funcionário mostrar o que vai fazer e eu venho de uma geração muito diferente, onde a gente fazia para manter aquilo que a gente tinha e também sequer esperava subir para um cargo acima. Quando trabalhei na indústria chegava a dobrar meu salário com horas extras aos sábados e domingos”, exemplificou.

O executivo demonstrou em diversos momentos do bate-papo gratidão por aqueles que passaram em seu caminho. Em especial, a esposa: “Estamos juntos há 18 anos. Ela é minha companheira, minha parceira de negócios, minha confidente, amo ela”, disse emocionado.

Trevisan comentou que sempre teve muita tranquilidade para lidar com adversidades e contou sobre a época em que fez a transição para o empreendedorismo. “Não tenho receio hoje em dia de dizer quando algo não é agradável para mim. Esse é um grande ensinamento e procuro passar isso a todos que estão ao meu redor. Muitas vezes você se priva de certas coisas para não entrar em uma situação desgastante e isso acaba ficando guardado só para você. Se você não diz aquilo que te desagrada com o outro não tem como a pessoa adivinhar. Naturalmente, cada um vê seu lado da disputa”, disse o entrevistado ao enfatizar o papel dos bons professores que passaram em sua trajetória. “Quando você trabalha com pessoas acima de seu nível você cresce e eu tive a sorte de encontrar sócios que colaboraram muito”, completa.

Antes de formar a Sustentare com os demais sócios da rede de corretores, Marcos Stock Trevisan trabalhou com uma operação própria de corretagem. “Havia uma disparidade muito grande para com as corretoras maiores. Depois de um certo tempo alguns amigos comentaram que estavam realizando a junção de algumas operações em uma rede de cooperação. Ainda assim havia aquela grande dificuldade nas negociações com as seguradoras, pois até então não era um CNPJ único. Embora a ideia fosse muito boa financeiramente não trazia benefícios. Aí parte das pessoas começou a sair e a montar uma corretora única. Foi assim que surgiu a Sustentare, em 2007. Todos abdicaram de suas corretoras, mas o que mais importa é o profissional – uma vez que ele forma sua própria carteira de clientes”, ressaltou ao celebrar os 13 anos de sucesso das operações da Sustentare.

“Estamos sempre agregando benefícios e incorporando facilidades para tornar o projeto cada vez mais atrativo. Tenho muito amor pela minha profissão e me considero um solucionador de problemas. A profissão de corretor de seguros oferece grandes oportunidades, principalmente pelo fato de você poder zelas por algo valioso para seu cliente. Tenho um carinho extremo pela corretagem porque entendo que fazemos diferença na vida das pessoas quando elas mais precisam. Me encontrei na profissão e hoje não me vejo fazendo outra coisa”, encerrou Marcos Stock Trevisan.

Assista ao bate-papo completo:

 

Ver essa foto no Instagram

 

Marcos Trevisan

Uma publicação compartilhada por Clube Da Pedrinha RS (@clubedapedrinhars) em

SulAmérica amplia oportunidade para novos músicos durante a pandemia e apresenta live neste fim de semana 734

Foto: Íris Zanetti/Secom/Ministério Turismo

Em meio à quarentena, 14 jovens talentos conquistaram uma vaga no projeto da Orquestra Ouro Preto; neste sábado formação orquestral mineira apresenta duas lives em comemoração aos 125 anos da SulAmérica

“São 14 oportunidades, 14 novos sorrisos, 14 pequenos milagres”. É assim que Rodrigo Toffolo, Maestro e diretor artístico da Orquestra Ouro Preto , define os novos integrantes da Academia Orquestra Ouro Preto, que conquistaram uma vaga no projeto socioeducacional da formação orquestral mineira neste ano durante a pandemia. Criada em 2019, com patrocínio da SulAmérica, a Academia surgiu com a proposta de aperfeiçoar e lapidar o talento de jovens violinistas, violistas, violoncelistas, contrabaixistas e percussionistas. “São músicos já iniciados, mas que encontram uma série de obstáculos para dar prosseguimento ao sonho de se tornarem profissionais, sobretudo, devido ao alto custo dos investimentos”, explica Toffolo.

No início do ano, a Academia lançou um edital para selecionar novos integrantes. E, em meio à quarentena, uma boa notícia surpreendeu 14 jovens talentos que se encontravam em casa, em distanciamento social, muitos deles sem trabalho. “É com alegria que anunciamos a ampliação do número de alunos bolsistas da Academia. Eles terão a oportunidade de dar continuidade aos seus sonhos profissionais e caminharem junto com a Orquestra no aprendizado e na troca de experiências”. Com os novos integrantes, o projeto que começou com 28 alunos, agora conta com 42. Os 14 novos alunos foram informados sobre a aprovação por meio de uma videochamada com o Maestro Rodrigo Toffolo e as aulas tiveram início na segunda quinzena de junho.

A Academia já nasceu como referência em Minas Gerais, sendo uma porta de entrada para a transformação de realidades sociais por meio da cultura. Com sede no Sesc Palladium, em Belo Horizonte, e atividades semanais, os alunos com idade entre 18 e 28 anos, recebem uma bolsa no valor de R$ 700 por mês, além de material didático cedido gratuitamente, num formato inédito no que tange o incentivo para estudo e prática da música no país. Devido à pandemia, todas as atividades da Academia Orquestra Ouro Preto estão sendo realizadas virtualmente.

Lives de domingo

Neste domingo, 06 de dezembro, a Orquestra Ouro Preto celebra os 125 anos da SulAmérica com duas lives em sequência que serão transmitidas diretamente da histórica cidade mineira, Ouro Preto. Tudo sob a batuta do Maestro Rodrigo Toffolo, com participação de Alceu Valença e do violonista Carmelo de Los Santos.

Ás 17h, a Academia Orquestra Ouro Preto interpreta um ícone do barroco musical no templo do barroco arquitetônico mineiro. O concerto “As Quatro Estações”, de Vivaldi, será transmitido da Igreja de São Francisco, cujos adornos estão para Aleijadinho e Mestre Ataíde como a Capela Sistina está para os renascentistas. O solista convidado é o violinista gaúcho radicado nos EUA, Carmelo de Los Santos.

Valencianas

Das quatro estações diretamente para a Estação da Luz, a Orquestra Ouro Preto convida Alceu Valença para apresentaram juntos o aclamado “Valencianas”, que reúne obras do cantor e compositor pernambucanos adaptadas para a música de concerto. Uma ponte entre as sonoridades do Nordeste solar com o barroco mineiro, na qual as ladeiras musicais de Olinda se encontram com as de Ouro Preto.

Transmitida da Casa da Ópera, o mais antigo teatro em funcionamento na América Latina, a partir das 19h, a live tem um componente especial. O público poderá assistir em primeira mão um mix de dois diferentes concertos: Valencianas e Valencianas II, previsto para rodar diversas cidades brasileiras em 2021, com o lançamento do CD e DVD gravados em Portugal.

No palco, Alceu e a Orquestra Ouro Preto interpretam “Anunciação”, “Belle de Jour”, “Tropicana”, “Como Dois Animais”, “Cavalo de Pau”, “Tomara”, “Pelas Ruas Que Andei”, “Eu Vou Fazer Você Voar”, entre outras, além da “Suíte Valenciana” e versões orquestrais de temas como “De Janeiro a Janeiro” e “Estação da Luz”.

O concerto tem regência de Rodrigo Toffolo, arranjos de Mateus Freire e direção de cena de Paulo Rogério Lage. A produção executiva é da Palco, da Tropicana e da Orquestra Ouro Preto.

Serviço

Data: 06 de dezembro, domingo
Transmissão: Canal da Orquestra Ouro Preto no Youtube
17h - As Quatro Estações, de Vivaldi
Academia Orquestra Ouro Preto. Solista convidado: Carmelo de Los Santos
Local: Igreja de São Francisco de Assis - Ouro Preto/MG
18h - Valencianas
Alceu Valença e Orquestra Ouro Preto
Local: Casa da Ópera - Ouro Preto/MG
Mais informações: neste endereço.

SulAmérica celebra seus 125 anos e lança conceito de Saúde Integral 587

Gabriel Portella é presidente da SulAmérica / Foto: Matheus Pé/JRS/Arquivo

Companhia, que celebra no próximo dia 5 mais de um século desde sua fundação, evolui seu posicionamento de marca e realiza concerto inédito aberto ao público

Estar entre as poucas empresas que passaram de um século de existência e continuaram relevantes é motivo de muito orgulho. Mesmo em um ano permeado por incertezas, a SulAmérica celebra seus 125 anos com otimismo no futuro e muito trabalho, investindo no conceito que permeia seus negócios e reforça a relação com seus clientes e parceiros: Saúde Integral, uma visão que une sob uma mesma perspectiva saúde física, emocional e financeira. Para celebrar, realizará neste domingo, dia 6, uma live musical com Orquestra Ouro Preto e Alceu Valença.

“Acreditamos que para ter o equilíbrio necessário para viver de forma plena no presente e no futuro, com autonomia e segurança, é preciso que essas três dimensões da saúde caminhem em harmonia”, afirma Gabriel Portella, presidente da SulAmérica. Segundo o executivo, essa proposta é inédita no setor e muda a forma como o mercado segurador costuma trabalhar. “Não se trata apenas de um reposicionamento da marca, mas uma mudança cultural”.

O conceito, que a empresa já vinha aplicando em suas ações do dia a dia, foi incorporado ao discurso oficial e na esteira de lançamento de novos produtos e serviços. O projeto durou quase um ano e mobilizou todos os setores da SulAmérica: Conselho Administrativo, colaboradores, parceiros de negócios, fornecedores, clientes, entre outros. O trabalho partiu da missão, da visão e dos valores da empresa, passando pelas mudanças comportamentais observadas ao longo dos anos e mirando nas tendências futuras.

O projeto contou com pesquisas qualitativas e quantitativas, além de inúmeras entrevistas, para que a companhia obtivesse um diagnóstico preciso e com diferentes pontos de vista. Ouvir médicos, corretores de seguros, colaboradores, clientes e fornecedores foi fundamental para o novo posicionamento ser assertivo e estar em linha com os anseios da sociedade.

Celebração: Concerto Orquestra Ouro Preto e Alceu Valença

Como parte de suas ações de sustentabilidade, a companhia apoia iniciativas culturais e esportivas há muitos anos, quase durante todos os seus 125 anos de existência. Nessa vertente, desde 2008 é responsável pelo Circuito SulAmérica de Música e Movimento .

Uma das parcerias mais longevas é o patrocínio à Orquestra Ouro Preto e sua Academia, uma iniciativa que forma e dá bolsas a jovens músicos. É justamente esse parceiro que homenageia a SulAmérica em seus 125 anos, com uma live “dois em um”, que vai ao ar no domingo, dia 6, no canal do grupo no YouTube .

A partir das 17h30min, a música invadirá a famosa Igreja de São Francisco, em Ouro Preto (MG), onde o maestro Rodrigo Toffolo conduzirá os alunos da Academia Orquestra Ouro Preto pelas Quatro Estações de Vivaldi. O violinista Carmelo de Los Santos fará uma participação especial. Assim que o grupo finalizar a execução desta obra-prima de Vivaldi, se dirigirá até a Casa da Ópera, o mais antigo teatro em funcionamento na América Latina, onde se junta a Alceu Valença para apresentar a nova versão do espetáculo “Valencianas”. Desta vez, eles se apresentam com repertório revisitado, repleto de sucessos de Alceu como “Anunciação” e “Belle de Jour”.

Juliano Ferrer alerta para o prazo de aviso de sinistro no Seguro Agrícola 634

O advogado Juliano Ferrer / Foto: William Anthony/Arquivo JRS

Confira artigo de Juliano Ferrer, advogado sócio do C.Josias & Ferrer Advogados Associados

Para o contrato de seguro de danos, a apuração de prejuízos alegadamente havidos em eventos cobertos por apólice é essencial. A seguradora, que gere fundo mutual constituído técnica e cientificamente, tem o dever legal de respeitar o limite do interesse segurado e indenizar na exata medida do dano, desde que decorrente de evento garantido.

O papel do segurado é essencial, eis que tem a obrigação de avisar o sinistro quando o mesmo ocorrer e subsidiar a seguradora com documentos e informação relevantes, permitindo o exame do local, a observação de causas, a aferição de prejuízos e a verificação de todos os demais elementos que possam contribuir para esta análise.

No seguro agrícola, modalidade de seguro de danos que visa a reposição de prejuízo decorrente de fenômenos climáticos inevitáveis, o aviso de sinistro é mais do que apenas o dever do segurado, previsto no Código Civil Brasileiro¹. Avisar o sinistro em tempo hábil para que a seguradora possa, in loco, constatar as marcas deixadas na lavoura pelo evento da natureza é condição inarredável para a correta constatação do evento coberto. Da mesma forma se dá com a apuração dos danos que serão indenizados.

Considerando a peculiaridade deste seguro – lavouras distantes de grandes centros urbanos em um país continental – em junho de 2020 o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA), através de seu Comitê Gestor Interministerial do Seguro Rural (CGSR), promulgou a Resolução 73/2020, que no seu artigo 5º inciso I, letras “a” e “b”² determina prazos que devem ser cumpridos pelo segurado para o aviso o sinistro cuja apólice tenha sido beneficiada pelo Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR). Em medida louvável, o MAPA preocupou-se inclusive em diferenciar regras conforme o evento climático específico, tecnicamente preenchendo lacuna na legislação que, no caso, é condição para a boa execução do contrato.

A Constituição Brasileira, em seu artigo 187 inciso V³, determina que a política agrícola estabelecida no país deve atentar para o seguro desta atividade, o que justifica que o MAPA dite tal obrigação ao segurado. Mais do que isso, na medida em que administra o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR), oferecendo ao agricultor subsídio para oportunizar a contratação de coberturas que lhe garantam a reposição de prejuízos na lavoura, é legítimo que o Ministério da Agricultura se ocupe de estabelecer regras que auxiliem no bom andamento dos contratos, evitando conflitos surgidos na impossibilidade de aferição da danos. O fomento destas coberturas depende disso, trazendo às seguradoras maior segurança ao assumir riscos.

Não obstante, especificamente o disposto no artigo 5º inciso I, letras “a” e “b” da Resolução 73/2020 não contraria a Circular Susep 256/04, que por sua vez dispõe sobre as regras contratuais do seguro de danos, vedando em seu artigo 39 a inclusão de cláusula pela seguradora, que disponha sobre a fixação de prazo máximo para a comunicação de sinistros. A obrigação trazida pelo MAPA não impõe que as seguradoras incluam em seus clausulados os prazos para aviso de sinistro. Seu foco é o segurado e o respeito aos prazos por ele, já que beneficiado com a subvenção. Não há, portanto, neste particular, conflito entre a norma da Superintendência de Seguros Privados (Susep) e a do MAPA.

Antes das teses jurídicas, porém, urge o diálogo entre os dois entes do Estado e o mercado. Fato é que, de uma forma ou outra, os sinistros precisam ser avisados, em tempo hábil, antes que a natureza ou a ação humana impeçam que se constatem as causas e os danos, sob pena de surgirem conflitos nada desejados por este mercado que cresce na medida em que o Brasil precisa.

¹ Art. 771. Sob pena de perder o direito à indenização, o segurado participará o sinistro ao segurador, logo que o saiba, e tomará as providências imediatas para minorar-lhe as consequências.
Parágrafo único. Correm à conta do segurador, até o limite fixado no contrato, as despesas de salvamento consequente ao sinistro.

² Art. 5º Nas apólices beneficiadas pelo PSR, deverão ser adotados os seguintes prazos no tocante à ocorrência de sinistros:
I - Pelos produtores rurais: na ocorrência de evento(s) coberto(s), o segurado por si, ou por seu representante legal ou preposto, sob pena de perder o direto à indenização, deverá comunicar o fato à seguradora, através do canal de comunicação da respectiva empresa, tão logo saiba do evento ocorrido, respeitando o prazo em dias, conforme abaixo especificado:
a) Prazo máximo de 8 (oito) dias corridos, a contar da data da ocorrência do evento, para as coberturas de: chuva excessiva na colheita, geada, granizo, incêndio/raio, inundação, variação excessiva de temperatura, ventos frios e ventos fortes/vendaval.
b) Para as coberturas de seca e chuva excessiva, prazo máximo de 5 (cinco) dias corridos do término do período de estiagem ou chuva, limitado ainda a 30 (trinta) dias corridos do início da colheita.

³ Art. 187. A política agrícola será planejada e executada na forma da lei, com a participação efetiva do setor de produção, envolvendo produtores e trabalhadores rurais, bem como dos setores de comercialização, de armazenamento e de transportes, levando em conta, especialmente:
V – o seguro agrícola;

Newton Queiroz passa o comando da Argo Seguros no Brasil para Bruno Pereira 1012

Bruno Pereira, Chief Financial Officer (CFO), assume interinamente a posição de CEO da Argo Seguros / Divulgação

Executivo e companhia tomaram decisão em comum acordo

A Argo Seguros anuncia que, em comum acordo, Newton Queiroz transfere o comando da companhia no Brasil para Bruno Pereira, Chief Financial Officer (CFO), que assume interinamente a posição de CEO. Atualmente, o executivo já é responsável por finanças, planejamento e controle, fiscal, atuarial e operações.

“O Grupo Argo reforçou que a estratégia para o Brasil não muda, assim como os investimentos previstos para os próximos anos. Tudo o que foi planejado em termos de crescimento e expansão será mantido e intensificado, ou seja, portfólio, canais e parcerias”, disse Bruno.

Bruno Pereira é engenheiro, tem 45 anos, e iniciou a sua carreira como auditor na Arthur Andersen e Deloitte atendendo a grandes seguradoras no Brasil. Ele passou por todas as áreas de finanças de grupos seguradores multinacionais e é CFO há seis anos, tendo iniciado na Argo Seguros em agosto de 2019.

“O Grupo Argo deseja sorte e sucesso ao Newton em seus novos projetos futuros”, informa o comunicado.

*Com informações de Pauta VIP.

Deal Seguros amplia a oferta por seguros de responsabilidade civil 903

Deal Seguros amplia a oferta por seguros de responsabilidade civil

Modalidade torna-se cada vez mais relevante no ambiente corporativo

Com o objetivo de proteger o patrimônio de pessoas físicas que ocupam cargos de alta gestão e podem ser responsabilizadas por seus atos e decisões, a contratação de seguros de D&O (directors’ and officers’ liability insurance,) vem crescendo e se tornando cada vez mais relevante no ambiente corporativo. De acordo com a Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg), somente os prêmios diretos de D&O somaram R$ 436 milhões entre janeiro e julho deste ano, um avanço de 68% em relação ao mesmo período de 2019.

Ricardo Géo é sócio-fundador da Deal Seguros / Divulgação
Ricardo Géo é sócio-fundador da Deal Seguros / Divulgação

A Deal Seguros é uma corretora independente com atuação exclusiva no segmento corporativo que tem total conhecimento e expertise neste tipo de seguro e atende as diversas modalidades. A companhia destaca a importância na contratação do serviço, especialmente para profissionais e empresas de engenharia, saúde, arquitetura, agências de viagem, entre outros, que devem se proteger de possíveis erros e omissões que podem ocorrer em qualquer profissão.

Ricardo Géo, sócio-fundador da Deal Seguros, destaca que o ramo de seguros tem vivido um momento de muito crescimento, já que cada vez mais os consumidores estão conscientes dos seus direitos quando não lhes são entregues serviços adequados ou quando um determinado serviço lhe causa algum tipo de dano ou prejuízo. “Os seguros cobrem os danos involuntários materiais ou corporais causados pelo segurado a outras pessoas, ou seja, sem intenção de prejudicar. São, tipicamente, os derivados de negligência, imperícia ou imprudência. Para proteger estes trabalhadores e empresas, oferecemos também o produto E&O (Erros e Omissões)”, esclarece Geo.

New Report

Close