Diretor da Magicel destaca importância da Gestão de Benefícios no pós-pandemia

Jorge Cabral destaca principais características do ‘novo normal’

Publicidade
MAG Seguros

O propalado ‘novo normal’ chegou ao meio corporativo brasileiro. Se em 2020, o trabalho em casa e as reuniões por vídeo consistiam num dos poucos recursos viáveis para amenizar a crise provocada pela pandemia, agora, em 2022, mesmo com a população ainda precisando manter protocolos sanitários para evitar o contágio do coronavírus, o home office se consolida como uma prática irreversível para as corporações.

E isso começa a impactar, também, no segmento de seguros de vida em grupo e no ramo de benefícios voltados a empregados celetistas.

Com 25 anos de expertise na área de consultoria em benefícios corporativos, a Magicel, empresa paranaense com capilaridade em todo o Centro-Sul brasileiro, está atenta aos impactos que o teletrabalho está trazendo na relação empregador e colaborador. Umas das palavras-chave dessa mudança de paradigma é Flexibilidade.

Publicidade
GBOEX no JRS

Fases da Vida

A pandemia acelerou bastante a prática de ressignificação dos pacotes de benefícios, que passaram a ser mais flexíveis e personalizados, de uma forma que era inédita até 2019. Num cenário variado, em que há colaboradores em sistema 100% remoto, outros 100% no presencial ou ainda muita gente em regime híbrido de trabalho, não cabe mais pacotes padronizados para toda a equipe de uma organização.

“As empresas precisam inovar para entender as diferentes fases da vida e captar os processos pessoais e profissionais dos colaboradores”, destaca Jorge Cabral, sócio-diretor da Magicel.

Cabral acrescenta: “Não basta tornar flexível somente o benefício financeiro. Benefícios segurados e benefícios criativos também podem ser flexibilizados. Cientes disso, as empresas estão buscando consultorias, aptas a fazer um diagnóstico do que podem variar num pacote corporativo, obtendo respostas a dúvidas jurídicas ou técnicas”.

Vale-Gasolina

Em entrevista ao programa Seguro Sem Mistério, o executivo cita um exemplo que sinaliza os tempos atuais. “Que tal modificar a rubrica tradicional de vale-transporte no pacote de benefícios de recursos humanos? Em vez de pagar o VT pelos dias úteis do mês, o pacote poderia prever, em troca, um auxílio combustível, que ressarça não só valor da gasolina que o emprego gasta para se deslocar até o escritório, mas utilizar os voucher recebido do empregador para estacionamento somente nos dias em que o colaborador trabalhar no presencial”, menciona Jorge Cabral.

A Magicel também investe bastante em ferramentas e estratégicas que visem melhorar a gestão de saúde das pessoas. “Tentamos ajudar os setores de RH na elaboração da política de benefícios que tenham o foco em melhorar a saúde do colaborador e dos dependentes do colaborador”, finaliza Cabral.

Artigos Relacionados