Bancos privados vão oferecer crédito subsidiado para empresas pagarem funcionários

Bradesco, Itaú Unibanco e Santander terão linha com juros a preço de CDI, sem spread, mas sujeita à análise de crédito

Os bancos Bradesco, Itaú Unibanco e Santander vão oferecer a linha subsidiada para empresas de menor porte arcarem com a folha de pagamento dos funcionários em meio aos impactos da pandemia do coronavírus em seus negócios, mas a concessão estará sujeita à análise de crédito.

Publicidade
Icatu Seguros no JRS

“Cada empresa passará por uma análise de crédito. Não faz sentido prover recursos do Tesouro para empresa que já esteja quebrada”, afirmou uma fonte do setor financeiro.

O crédito será concedido para empresas com faturamento anual de até R$ 10 milhões e financiará o valor correspondente a dois meses da folha de pagamento.

A linha de crédito terá prazo de 36 meses, porém haverá seis meses de carência para pagamento das parcelas. Os juros cobrados serão equivalentes ao CDI, sem cobrança de spread (diferença entre os juros pagos e os juros cobrados).

Publicidade
Icatu Seguros no JRS

O anúncio conjunto dos bancos foi feito logo após entrevista coletiva do Banco Central sobre o tema, realizada na manhã desta sexta-feira. Segundo comunicado pelo regulador, serão destinados R$ 40 bilhões para a linha, com 85% de recursos do Tesouro Nacional, e os outros 15% das instituições financeiras.

Na prática, os recursos serão aportados em um fundo a ser administrado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que terá a responsabilidade de assegurar que o dinheiro está chegando a quem realmente precisa.

Em nota conjunta, Octavio de Lazari, presidente do Bradesco, diz que as medidas vão no sentido de “proteger a economia”, enquanto o presidente do Itaú Unibanco, Candido Bracher, avalia que ela “dará fôlego para milhões de empreendedores”.

Já Sérgio Rial, presidente do Santander Brasil, diz que “fará com que o capital de giro chegue às pequenas empresas com o único propósito de manutenção de empregos, de forma a manter a atividade econômica viável e a permitir o retorno do crescimento assim que possível”.

Artigos Relacionados