Dia do idoso: Longevidade em destaque para o futuro da saúde suplementar

Envelhecimento da população reforça importância da sustentabilidade da saúde suplementar para garantir e ampliar a assistência no futuro

Em 20 anos, o Brasil dobrou a sua população idosa de tamanho. Em 1998, eram 13 milhões de pessoas com 60 anos ou mais. Hoje esse número é de mais de 32 milhões de idosos. Na saúde suplementar, o número de beneficiários acima de 60 anos também dobrou. Em março de 2002 eram 3,4 milhões, hoje são pouco mais de 7 milhões, de acordo com dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Publicidade

“As pessoas estão vivendo e vão viver ainda mais. Isso deve ser encarado como grande conquista da civilização. Mas exige que estejamos preparados para preservá-la e para dar condições de vida dignas a nossos idosos. Os sistemas de saúde são fundamentais nesse desafio. E em um país como o Brasil, a integração entre o sistema público e privado é fundamental para isso”, explica a Diretora-Executiva da Federação Nacional da Saúde Suplementar (FenaSaúde), Vera Valente, durante o painel ‘Longevidade, Prevenção e Cuidado’, realizado hoje (30), no Longevidade Expo+Forum, em São Paulo (SP).

De acordo com a executiva, o setor tem dois desafios importantes pela frente. “O primeiro é ampliar ainda mais o acesso das pessoas à assistência. O segundo é lidar com aumentos cada vez mais expressivos nos custos dos tratamentos. Tais desafios se entrelaçam quando tratamos de demografia e, consequentemente, de longevidade”.

O diretor de Desenvolvimento Setorial da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Maurício Nunes da Silva, trouxe informações sobre o mapa atual da saúde suplementar brasileira em que 70% dos planos são coletivos empresariais, falou sobre o Projeto Idoso Bem Cuidado e ressaltou a atuação da Agência nessa ampliação da perspectiva do setor com as mudanças demográficas. “Nas próximas décadas a proporção entre planos coletivos empresariais, coletivos por adesão e individuais, deve mudar consideravelmente uma vez que a expectativa de vida da população aumenta e as relações de trabalho se alteram. Inclusive, esse é um tema que está sendo discutido na agenda regulatória da ANS”.

Publicidade
Europ Assistance Brasil

Na sequência, a especialista em longevidade e Diretora-Executiva do Laços Saúde, Martha Oliveira reforçou que envelhecer precisa ser encarado pela sociedade como uma conquista. “Todos queremos envelhecer e bem, com qualidade e oportunidades. Para que isso aconteça precisamos estruturar a área da saúde para lidar com o envelhecimento”.

Por fim, o médico de família e comunidade, responsável pela Rede de Atenção Primária da SulAmérica, Leonardo Abreu enfatizou a importância da APS como estratégia para integrar o atendimento à população, especialmente idosa, e trouxe a questão da qualidade de vida. “Mais importante do que pensar em quando envelhecer, as pessoas devem se atentar a como chegar a essa idade. Portanto é fundamental centrar as atenções no autocuidado e em aspectos que envolvem atividades físicas, bons hábitos alimentares e interações sociais de qualidade”.

Artigos Relacionados