Prêmios globais cresceram 3,8% em 2015

Novo relatório sigma da Swiss Re mostra efeitos da expansão econômica mundial para seguros

O crescimento real dos prêmios de seguro globais foi de 3,8% em 2015, diz o relatório sigma mais recente da Swiss Re, ainda que tenha havido variações nas taxas regionais. O desempenho geral foi estável após um ganho de 3,5% nos prêmios de seguros diretos subscritos em 2014, e vindo em um ambiente de moderado crescimento econômico global (2,5%), este último um motor essencial da demanda de seguro.

Publicidade
GBOEX no JRS

Segundo o estudo, houve ligeira desaceleração no setor de Vida em 2015, com o crescimento dos prêmios globais caindo para 4% (de 4,3%), devido ao fraco desempenho nos mercados avançados. Nas apólices de propriedade, o forte crescimento nos mercados avançados da Ásia e a melhoria na América do Norte e Europa Ocidental contribuíram para um aumento de 3,6% nos prêmios de seguros globais, acima do aumento de 2,4% em 2014.

Enquanto o desenvolvimento em termos reais sinaliza força, o volume de prêmios em dólar americano (USD) em taxas de câmbio vigentes contraiu para 4,2% em 2015. Isso pode ser visto como um sinal de fraqueza do setor de seguros, mas só é causado pela depreciação da moeda generalizada contra o USD.

O crescimento dos prêmios de seguro nos mercados avançados foi fraco no segmento Vida, porém forte no segmento não Vida. Nos mercados avançados, o crescimento real global dos prêmios de seguro de vida desacelerou para 2,5% em 2015, de 3,8% no ano anterior. A América do Norte apresentou um crescimento positivo após dois anos de declínio. O crescimento dos prêmios também foi mais forte nos mercados avançados da Ásia, impulsionado pelo Japão e Coreia. No entanto, na Europa Ocidental o crescimento foi significativamente menor, passando de 5,8% em 2014 para 1,3%. Nos mercados emergentes, o crescimento global dos prêmios de seguro de Vida praticamente dobrou, chegando a quase 12%, devido ao forte desempenho nos mercados emergentes da Ásia, principalmente na China. O crescimento também melhorou na América Latina, mas a subscrição de prêmios foi mais fraca no Oriente Médio, Ásia Central, África e na Europa Central e Oriental.

Publicidade

Os mercados avançados foram os principais impulsionadores dos seguros não Vida. Os mercados avançados da Ásia registraram o maior crescimento (+4,1%) e houve também um ganho considerável na América do Norte (+3,2%). O crescimento foi mais moderado na Europa Ocidental (+ 1,5%), porém isso representa uma melhoria significativa em relação aos anos anteriores de estagnação. Os mercados emergentes continuaram sua tendência de forte crescimento nos prêmios (+7,8%), impulsionado principalmente pela China.

Juros. As taxas de juros nas economias avançadas permaneceram muito baixas em 2015, pressionando a rentabilidade dos segmentos de Vida e, em menor medida, do não-Vida. No segmento Vida, o crescimento moderado em muitos mercados também pesou sobre os lucros. No segmento não-Vida, tanto os resultados de subscrição quanto de investimento foram mais fracos do que em 2014. Os resultados de subscrição foram impactados pela menor liberação de reservas e os resultados de investimento foram afetados pelas baixas taxas de juros.

“As taxas de juros e os cenários macroeconômico e financeiro do mercado continuarão a definir as perspectivas para a indústria de seguros,”, diz Kurt Karl, economista-chefe da Swiss Re. “Com a rentabilidade sob pressão, as seguradoras de vida continuarão a se concentrar na melhoria da gestão do capital, reduzindo despesas e aumentando o rendimento dos investimentos. A rentabilidade no segmento não-Vida também permanecerá fraca em condições de preços reduzidos e retornos de investimento ainda baixos.”

No entanto, a indústria de seguros global permanece bem capitalizada, o que significa que as seguradoras estão mais bem preparadas para superar os períodos de turbulência econômica ou de mercado. O segmento Vida estava mais capitalizado no final de 2015 do que de 2014, refletindo os resultados sólidos na China, mas também o efeito da redução das taxas de juros, que resultou em um maior valor de mercado dos investimentos de renda fixa e derivativos. A solvência do segmento não-Vida registrou uma alta recorde de 130% em 2015. Espera-se que a capitalização mantenha-se forte, mas não será mais apoiada por maiores ganhos não realizados decorrentes das taxas de juros extremamente baixas, uma vez que as taxas começarem a subir nos EUA e no Reino Unido, principalmente.

A previsão é de um ligeiro aumento no crescimento dos prêmios de Vida nos países avançados em 2016, porém lento nos mercados emergentes. A pequena melhoria nos mercados avançados virá de uma recuperação esperada na Oceania e da melhoria modesta na Europa Ocidental. Nos mercados emergentes, o ritmo de crescimento reflete o forte desempenho sustentado nos países emergentes da Ásia. Apesar de estar apresentando uma desaceleração, o crescimento dos prêmios na China deverá se manter forte.

Espera-se que o crescimento do segmento não-Vida global se enfraqueça, devido à atividade econômica moderada e aos preços reduzidos, principalmente nos mercados avançados. A perspectiva para os mercados emergentes é variada. O crescimento do segmento não-Vida tende a ser forte nos países emergentes da Ásia, sustentado principalmente pela China. Em algumas outras regiões, no entanto, a previsão é de enfraquecimento ou mesmo redução do crescimento.

*Informações de CNseg.

Artigos Relacionados