Solvência II foi o foco da segunda parte do seminário IFRS 17 & Solvency II

Evento aconteceu em São Paulo, nas instalações da Escola Nacional de Seguros, com apoio da CNseg, entre 15 e 17 de julho

Após as discussões do primeiro dia e da manhã do segundo dia do seminário IFRS 17 & Solvency II, promovido pela Society of Actuaries (SOA) terem girado ao redor do IFRS 17, que é o novo padrão de relatório financeiro internacional para contrato de seguro, os debates voltaram-se para a Solvência II.

Publicidade
Europ Assistance Brasil

Entre os tópicos abordados, destaque para suas diretivas, os paradigmas internacionais de capital, a transição de Solvência I para Solvência II e, ainda, o tradicional modelo dos três pilares (Pilar 1: Quantitativo, Pilar 2: Governança, Pilar 3: Reporte e Transparência).

Sobre o Pilar 1, o consultor Carlos Arocha demonstrou as fórmulas padrão de Solvência II e a sua estrutura de requerimento de capital de risco. Adicionalmente, apresentou noções de risco de mercado, risco operacional, risco de crédito e de subscrição, bem como a visão de risco agregado. Por outro lado, lembrou que há riscos que não são possíveis de serem mensurados, ou possuem uma difícil aferição, como, por exemplo, o risco reputacional.

Em seguida, o seminário abordou exemplos ilustrativos dos diferentes modelos de capital de risco, bem como a matriz de correlação entre os diversos riscos e alguns métodos de avaliação de risco, como o Value at Risk (VAR) e o Tail Value at Risk (TVAR).

Publicidade
GBOEX no JRS

Na agenda de Pilar 2, foram expostas as funções de controle presentes nas diretivas de Solvência II (compliance, atuarial, gestão de riscos e auditoria) e a importância da governança dos modelos e da documentação, além dos requisitos mais apropriados e aderentes.

Ressaltando a importância da autoavaliação de risco e solvência (ORSA – Own Risk and Solvency Assessment) e do gerenciamento dos riscos corporativos, o consultor destacou a contribuição para a tomada de decisão dos executivos. Por fim, ele também demonstrou requisitos financeiros, entre outros, presentes em relatórios no âmbito de Solvência II.

Artigos Relacionados