Seis estratégias de venda de seguros para 2020 que todo corretor deve seguir 724

Conheça algumas estratégias de venda de seguros que podem ser usadas e que trazem resultados efetivos

Com o ano começando, todo corretor espera que ele seja produtivo e consiga ultrapassar as metas. Para conseguir isso, existem algumas estratégias de venda de seguros que podem ser usadas e assim impulsionar as vendas.
É claro que se existe alguma ação que era tomada e dava resultados positivos, ela deve continuar sendo seguida, mas nada impede de usar novas e melhorar os resultados.

Estratégias de venda de seguros para começar a usar agora

1. Conheça as necessidades dos clientes
Quanto mais informações tiver sobre os clientes, mais fácil será de fazer as vendas, pois poderá oferecer soluções personalizadas.

No primeiro contato, busque entender o que a pessoa está procurando. Se ele quer um seguro auto, veja em que situações usa o carro, o que mais preocupa, qual o conhecimento sobre seguros, se há alguma seguradora de carro de sua preferência e outros itens.

Reunir essas informações permitirá que ofereça um seguro personalizado e com maiores chances de venda.

2. Ofereça um produto de acordo com o público

Não perca tempo com pessoas que não possuem interesse, foque no público certo para conseguir vender um seguro.

Além disso, entenda que existem diferentes perfis e um produto mais adequado para um deles. Os mais exigentes querem um produto mais completo e com uma série de vantagens. Os novos nesse mercado podem buscar apenas pelo básico e que não os deixe na mão.

Adeque as opções de seguro que possui de acordo com as necessidade e o perfil do público para não gerar nele decepção.

3. Use a tecnologia

Atualmente, a tecnologia é uma grande aliada às estratégias de venda, uma vez que permite chegar mais fácil ao cliente e estar presente em diversos canais.

Utilize softwares que reúnam as informações de seus clientes, utilize aplicativos que facilitem a aproximação e relacionamento com os consumidores e esteja presente nas redes sociais para ser visto e lembrado.

4. Ofereça comodidade

Vender um seguro a maioria dos corretores faz e isso assusta os clientes, por isso opte por vender comodidade e benefícios.

Um seguro viagem é mais do que uma proteção para quem está de férias ou sai de sua cidade a trabalho é uma forma de se preocupar menos.

Atraia o cliente pelas vantagens que terá em adquirir um produto, por exemplo, contar com um suporte médico e que não peso no orçamento caso fique doente ou não ter de ficar correndo atrás da bagagem se ela for extraviada pela companhia aérea, uma vez que alguém estará fazendo isso.

5. Seja um grande conhecedor de seguros

Para passar segurança e conseguir fechar uma venda é preciso demonstrar que conhece o que está oferecendo. Aprenda tudo sobre seguros e oriente o cliente sobre o funcionamento. Esteja preparado para responder a qualquer questionamento que possa surgir.

6. Faça-se entender

Uma das estratégias de venda de seguros é falar a linguagem o cliente. O mercado de seguros pode ter termos que são de difícil entendimento para pessoas leigas ou com pouca experiência no ramo.

Adapte-se ao conhecimento que o consumidor possui e fale de uma maneira que ele possa entender, isso o deixará mais confortável e confiante em fechar um negócio ao comprar um seguro.

Seguindo essas estratégias de venda de seguros verá que em 2020 as suas vendas tendem a crescer e dessa forma conseguirá fidelizar os seus clientes.

Por Jeniffer Elaina, da Smartia Seguros*

Previdência: tecnologia apoia idosos durante crise do coronavírus 787

Aposentados podem resgatar benefício sem sair de casa

Em meio ao atual cenário de pandemia do coronavírus (Covid-19), a população mais afetada tem sido os idosos, considerados grupo de risco da doença. Devido a recomendação dos órgãos governamentais para que permaneçam em isolamento total, muitos têm receios em relação a aposentadoria, já que não podem sair de casa e manter o benefício é vital durante essa consequente crise econômica.

Apesar do panorama adverso e as inúmeras inseguranças que o permeiam, a tecnologia pode ser uma importante aliada para garantir a saúde dos idosos ao mesmo tempo que têm acesso a aposentadoria. A Planetun, insurtech que desenvolve soluções disruptivas para o mercado de seguros e automotivo, conta com o aplicativo web Mobi Previdência, com o qual o idoso consegue resolver diversos processos de forma remota, sem sair de casa, como a concessão da aposentadoria e a prova de vida. Com o app, o titular da previdência ainda pode solicitar o resgate do valor investido e os beneficiários, em caso de falecimento do titular, podem enviar a documentação necessária para o pagamento do sinistro.

Utilizando a solução, o titular ou beneficiário recebe um token via SMS que dá acesso ao app web. A partir daí, é só seguir um passo a passo de fácil entendimento para enviar todos os documentos necessários diretamente à empresa de previdência e aguardar a conclusão do processo. Ao invés de ter que se deslocar e correr riscos, o idoso pode fazer a solicitação de sua aposentadoria ou a prova de vida com poucos cliques no celular e ainda pode acompanhar cada etapa do estágio em que se encontra seu pedido pelo próprio aplicativo web.

“Estamos buscando maneiras de apoiar as pessoas e o mercado de seguros diante das incertezas e desafios da crise atual. A tecnologia vem sendo uma grande aliada para que as seguradoras possam entregar aos seus clientes um serviço mais efetivo e compatível com o momento”, comenta Henrique Mazieiro, CEO da Planetun.

O Mobi Previdência reduz em 65% o tempo do processo, que da maneira tradicional exige o cumprimento de várias etapas de um caminho que inclui organização de documentos, reconhecimento de firma e eventuais visitas à agência. Além das vantagens, como agilidade e comodidade para os clientes, a ferramenta é disruptiva e também apoia as seguradoras neste período difícil, já que o produto é completo e simplifica a previdência privada de ponta a ponta.

Presidente do Sincor-SP atualiza categoria e reforça atendimento ao corretor de seguros 1755

Segundo Alexandre Camillo, o Sincor-SP está operando perfeitamente em home office

Com o tema “Corretores de seguros na luta contra o coronavírus”, o presidente do Sindicato de Empresários e Profissionais Autônomos da Corretagem e da Distribuição de Seguros do Estado de São Paulo (Sincor-SP), Alexandre Camillo, apresentou a 14ª edição do Direto & Reto com Camillo nesta quarta-feira (25/03), pelo canal da TV Sincor-SP no YouTube.

Diante da pandemia mundial do novo coronavírus, Camillo atualizou a categoria sobre os canais de atendimento da entidade durante a quarentena, o apelo da Fenacor às seguradoras, com relação às coberturas do seguro, além de orientações sobre as leis, decretos e medidas que afetam os corretores no cenário atual.

“Desde quinta-feira (19/03), o Sincor-SP está operando totalmente, e perfeitamente, em home office. Continuamos, colaboradores, diretoria e eu, à disposição dos associados para sanar dúvidas e prestar o atendimento de excelência que sempre prestamos”, declara.

Em relação às coberturas securitárias para o coronavírus, Camillo explicou que a Fenacor solicitou as seguradoras para que não apliquem nos contratos de seguros quaisquer cláusulas de exclusão ou restritivas de direitos relacionadas às epidemias ou pandemias, permitindo a cobertura para eventuais casos de sinistros. “Esse foi um pedido para a sensibilidade das seguradoras para quem não faltem aos nossos clientes e a toda a sociedade. Nesse momento, temos que nos desdobrar e ir além do possível. É um momento de sacrifício para todos”, completa.

Sobre as recentes leis, decretos e medidas divulgadas pelas autoridades de todas as esferas, federais, estaduais e municipais, Camillo destacou que em momentos de crise é preciso tomar providências emergenciais. “Medidas governamentais fazem parte de uma crise. O que fazemos hoje, pode não servir para amanhã. A crise exige dinamismo”.

O presidente ainda anunciou que o Sincor-SP vai disponibilizar todos os documentos das decisões governamentais que afetam os corretores de seguros no site da entidade. “As Comissões técnicas do Sincor-SP, assim como as Assessorias Técnica e Jurídica da entidade vão prestar um atendimento aos corretores de seguros. Além disso, estamos atualizando constantemente nossos canais de comunicação (site, JCS, newsletter e redes sociais) com o objetivo de esclarecer as dúvidas e levar orientação à categoria”.

As atualizações sobre a Medida Provisória 905, cujo relatório retoma a Lei 4.594 e foi aprovado pela comissão, Camillo diz que Câmara e Senado são capazes de votar, mesmo diante do cenário atual. “Eles possuem recursos para prosseguir com a votação. No momento, a situação é favorável aos corretores, em relação à aprovação do relatório. Precisamos torcer para que vá a votação. Vencemos uma etapa. Mas temos que estar atentos às próximas”.

Camillo ainda tranquilizou a categoria com relação à Resolução 382, da Susep, ressaltando que as lideranças da categoria estão avaliando os aspectos técnicos e jurídicos do documento. “Fenacor e Sincors estão atentos a isso, assim como estivemos na MP. Continue a nos dar apoio que produziremos resultados positivos”.

Para assistir ao programa na íntegra clique aqui

Kuantta Digital auxilia corretores com suporte nas vendas 648

Empresa vai disponibilizar artes sem logo, para que todos os corretores possam compartilhar nas redes sociais e no aplicativo Whatsapp

Com objetivo de dar suporte aos corretores de seguros neste momento delicado, a Kuantta Digital, empresa de marketing que atua junto a Kuantta Consultoria, vai disponibilizar artes sem logo, para que todos possam compartilhar nas redes sociais e no aplicativo Whatsapp, para prospecção das vendas. Através do portal, é possível preencher um formulário e os arquivos são enviados em seguida.

Arley Boullosa ressalta que em um momento de pandemia, todos precisam se ajudar. O momento é de união. “A Kuantta Digital, braço de marketing da Kuantta Consultoria, entende a gravidade do momento com a crise do Covid-19 e criou algumas imagens exclusivas, sem logo, para ajudar os corretores a continuar prospectar clientes. Sabemos que é uma pequena ajuda, mas se todos puderem colaborar de alguma forma, teremos menos impactos nas operações das corretoras e menor será a chance de ocorrer desempregos em massa”, explicou.

Para receber as imagens basta acessar o site www.kuanttadigital.com.br, enviar uma mensagem no formulário de contato e mandamos as oito imagens de produtos que foram criadas. .

Argo Seguros anuncia mudanças no Clube Protector 537

Vendas dos corretores continuarão gerando pontos que poderão ser trocados por benefícios como Pontos Múltiplos

O Clube Protector, programa de relacionamento da Argo Seguros com os corretores, em breve também passará por mudanças. A partir de abril, a plataforma será migrada para um novo modelo ainda mais dinâmico, que trará mais vantagens e benefícios aos parceiros.

O processo de pontuação seguirá inalterado. Isso significa que todas as vendas dos corretores continuarão gerando pontos que poderão ser trocados por benefícios como Pontos Múltiplos, pagamento de boletos ou aproveitar os produtos e serviços dos melhores e-commerce do país.

“Estamos migrando nossa plataforma de pontos, o Clube Protector, para um ambiente com mais serviços e autonomia para o corretor, sempre focando em uma melhor experiência. Afinal, esse é o nosso DNA e precisamos ser ágeis para acompanhar as tendências para melhor atender os corretores e demais parceiros. Todos terão mais facilidade, conectividade e vantagens exclusivas”, explica Vanessa Rocha, Head de Consumer Lines da Argo Seguros.

Vale lembrar ainda que todos os pontos já conquistados e não utilizados pelos usuários do programa de benefícios serão mantidos, assim como o sistema de pontuação diferenciada, que varia conforme o desempenho anual de vendas de cada um. Em caso de dúvidas, os corretores podem encaminhar um e-mail para protector@argoseguros.com.br.

Essa é a segunda evolução tecnológica que a Argo Seguros promove em seus sistemas. Recentemente, a seguradora anunciou também o lançamento do Argo Digital, seu novo ambiente online para corretores, assessorias e parceiros de negócio. O projeto segue a mesma linha do seu antecessor, o Protector, que hoje passou a ser uma das linhas de negócios da companhia – assim como o Corporate – com produtos digitais e de fácil acesso.

Coronavírus: pandemia tem seguro? 9818

Especialistas esclarecem sobre os impactos da Covid-19 no mercado

Em 29 de janeiro, o corretor de seguros Edson Rodrigues perguntava aos seus colegas de profissão via rede social a opinião deles sobre como seria para as seguradoras caso houvesse um surto de coronavírus. Naquele mês, o Brasil ainda não tinha nenhum caso

Lúcio Bragança é advogado do escritório Agrifoglio Vianna / Arquivo JRS
Lúcio Bragança é advogado do escritório Agrifoglio Vianna / Arquivo JRS

confirmado de Covid-19 e a discussão ainda estava no campo das ideias. Em questão de dias, a situação mudou completamente e muitos são os questionamentos que se tem a respeito da pandemia que acomete não só o país, mas o mundo inteiro, no que diz respeito as suas características, estatísticas, sistema de saúde e, também, às coberturas de seguro.

O advogado Lúcio Roca Bragança, do escritório Agrifoglio Vianna, esclarece que a maioria dos contratos de seguros de vida contam com uma cláusula específica de exclusão em casos de pandemia. “Em um grupo com um grande números de pessoas, nós não sabemos quais delas vão falecer, mas nós podemos estimar, estatisticamente, com razoável precisão, quantas irão. A partir deste número, pode-se mensurar em reais qual será o montante necessário para indenizar os beneficiários dos segurados que provavelmente morrerão em um determinado ano. Esse montante é dividido entre todos os segurados do grupo, que pagarão um valor mensal à seguradora, que o provisionará para fazer jus às futuras indenizações”, explica sobre a necessidade de existência dessa cláusula, uma vez que em casos de enfermidades amplamente disseminadas, se torna impossível mensurar a taxa de sinistralidade.

“Se um grande número de segurados fosse sofrer sinistro, a conta não iria fechar”, comenta o advogado Lúcio Roca Bragança.

A seguradora apenas administra o fundo comum, resultante da contribuição de todos os segurados, e acrescenta o necessário à sua manutenção. “Para esse sistema de contribuição baixa e indenização alta funcionar, é preciso que todos estejam expostos ao risco, mas que apenas alguns sejam acometidos pelo risco – essa é a condição essencial para o seguro de riscos ordinários dar certo. Se um grande número de segurados fosse sofrer sinistro, a conta não iria fechar: seria necessário que a contribuição mensal deles se aproximasse do valor do capital segurado”, afirma.

No entanto, a Fenacor, entidade representativa dos corretores de seguros no Brasil, solicitou às seguradoras que não apliquem nos contratos de seguros, nenhuma cláusula de exclusão relacionadas às epidemias ou pandemias, permitindo, assim, a ampla cobertura

Renato Pedroso é presidente da Previsul Seguradora / Arquivo JRS
Renato Pedroso é presidente da Previsul Seguradora

para eventuais casos de sinistros. A Previsul Seguradora foi a primeira companhia a se posicionar e informar que indenizará segurados que tiverem perdas ocasionadas pela Covid-19, pagando as coberturas de seguro decorrentes de morte de qualquer causa, internações e rendas por incapacidade que contenham cobertura de doença, ocasionadas pelo novo vírus, respeitando as condições dos seguros, os prazos de carência e franquia (se houver), ainda que de acordo com as normas regulatórias o risco de pandemias seja excluído.

Conforme o presidente da Previsul, Renato Pedroso, o que mais influenciou na decisão foi o compromisso da companhia com os mais de um milhão e meio de segurados e mais de cinco mil corretores de seguros. “Clientes e parceiros de negócios que nesses mais de cento e dez anos de existência, escolheram a Previsul para ser a sua seguradora”, acrescenta.

A Previsul tem uma carteira de clientes com idade média relativamente baixa, mas nosso compromisso neste momento é com a sociedade brasileira”, destaca Renato Pedroso, presidente da seguradora.

Embora a taxa de mortalidade em decorrência do coronavírus seja baixa, o que depende de uma série de fatores, como idade, gênero, condições de saúde e o sistema de saúde no qual a pessoa está inserida, ainda é complicado mensurar exatamente os efeitos da pandemia. Na estimativa da Previsul, é muito cedo para se ter alguma previsão da proporção de segurados que possam ser indenizados neste processo. “A companhia tem uma carteira de clientes com idade média relativamente baixa, mas nosso compromisso neste momento é com a sociedade brasileira”, comenta. Além disso, com uma gestão preocupada com o bem-estar das pessoas, o time da Previsul está trabalhando em regime diferenciado para continuar atendendo e ainda sim preservando vidas: “Nossa matriz está em home office desde segunda-feira para preservar a saúde de todos e dar continuidade do atendimento à sociedade”.

Do ponto de vista jurídico, o advogado Lúcio Roca Bragança salienta que como trata-se de um risco que não foi precificado, ou, em palavras mais simples, uma seguradora cobrir um sinistro decorrente de pandemia significa dar cobertura por algo que o segurado não pagou, “somente se pode concluir que o dinheiro com que a Previsul cobrirá estes sinistros sairá do seu próprio patrimônio”. “Trata-se de um ato de generosidade, ou mesmo de auxílio prestado pela companhia aos seus segurados nestes tempos sombrios. Ou seja: todos os contratos da seguradora têm exclusão de pandemia e ela está fazendo isso por um senso de solidariedade”, acrescentou.

Para as outras seguradoras que não se manifestaram, isso não abre precedentes futuros, ainda de acordo com o especialista. “A cobertura de pandemia em seguros comuns é como que um ato de caridade e não se pode, juridicamente, exigir que as pessoas pratiquem a caridade. Por isso, acredito que se trata de um ato isolado de uma seguradora, mas mesmo que venha a se tornar uma prática predominante, não se pode esperar daquela que não o fez, que o faça. Não se pode nem mesmo moralmente condená-la, pois, eventualmente, ela pode não ter lastro econômico para tanto”, destaca.

“Quanto mais adversidades na sociedade, maior a compra de seguro; quanto mais crise, mais necessário se faz e quanto mais dinheiro se possui, mais prevenidos queremos estar”, comenta Alberto Júnior, corretor de seguros e CEO do Grupo Life Brasil.

Alberto Júnior é corretor de seguros e CEO do Grupo Life Brasil

Não há uma regra, mas crises em geral fazem com que os consumidores tenham mais consciência da importância do produto seguro. O corretor de seguros Alberto Júnior salienta que, na sua visão, o mercado terá, sim, um aumento de compra do produto seguro se souber entender o momento do cliente. “Qualquer pessoa só compra por seis motivos, que são baseados em dúvidas, inseguranças e medos ou desejos, interesses e necessidades. Tendo mais de três pontos destes relevantes aos clientes, é natural que consigamos fazer isso com o produto seguro e que tenhamos mais assertividade de compra”, afirma, baseado em método próprio que desenvolveu ao longo de seus 27 anos de experiência na venda porta a porta pelo Grupo Life Brasil. “Quanto mais adversidades na sociedade, maior a compra de seguro; quanto mais crise, mais necessário se faz e quanto mais dinheiro se possui, mais prevenidos queremos estar”, acrescenta.

Jean Figueiró, da KSA Corretora de Seguros

Por outro lado, Jean Figueiró, da KSA Corretora de Seguros, não vê o momento com tanto otimismo num curto prazo: com a economia girando menos, a demanda por seguro será afetada também. “Vai circular menos dinheiro, as pessoas vão ter que se desfazer dos seus bens e, no Brasil, o seguro não é visto como um investimento, ele é visto como uma despesa. É uma das primeiras coisas que as pessoas acabam cortando”, opina. Mas ele concorda com o colega de que num período maior e com um Brasil recuperado, o cenário será bem proveitoso aos corretores: “As crises nos geram oportunidades porque elas geram conhecimento para lidar com elas, com dificuldades”.

É o corretor de seguros sempre o profissional ideal para esclarecer todos detalhes do produto seguro e tirar as dúvidas dos consumidores. E você, seja corretor, segurador ou cliente, qual a sua opinião?