Demanda por seguro Cyber no Brasil cresce 22,8% em comparação ao ano passado

Especialistas avaliam mercado e apontam tendências em relação ao cenário global

A procura por seguros para proteção digital vem crescendo no Brasil. Segundo levantamento baseado nos dados da Superintendência de Seguros Privados (Susep), até setembro deste ano já foram emitidos R$ 130 milhões em prêmio de seguro cyber, 22,8% acima do registrado em 2021, quando o setor alcançou 105,8 milhões.

Publicidade
Agrifoglio Vianna no JRS

Esse aumento na busca por proteção, conjugado com um período de menor frequência de incidentes severos, tem gerado outro efeito indireto no setor, que é a queda do percentual de sinistralidade. Se no ano passado as seguradoras gastaram R$ 74,5 milhões em indenizações, este ano o montante de sinistros até o momento é de aproximadamente R$ 20 milhões, uma redução de 73,1%.

Quando esses dados são comparados a 2020, o crescimento e a evolução deste nicho de mercado ficam ainda mais evidentes. De acordo com a Susep, naquele ano o segmento gerou cerca de R$ 43 milhões de prêmio e teve R$ 32 milhões em sinistros indenizados.

“Acreditamos que esse aumento gradativo na procura por seguros Cyber e a consequente queda na sinistralidade se deve a uma maior maturidade do mercado, que percebeu a importância de se investir em proteção do risco cibernético”, avalia Claudio Macedo, co-founder da BLUECYBER, MGA (Managing General Agent) que oferece assistência e seguros para cobertura digital 24 horas por dia, além de atuar como um hub de soluções de operação e monitoramento para as seguradoras que atuam no ramos Cyber.

Publicidade
Agrifoglio Vianna no JRS

Segundo o especialista, “essa crescente demanda é um fenômeno global, já que atualmente os prêmios de seguro cibernético giram em torno de US$ 9,2 bilhões, mas já existem estimativas que apontam que o setor poderá chegar a US$ 22 bilhões até 2025”.

Nos Estados Unidos, por exemplo, um dos mercados mais evoluídos em seguro Cyber no mundo, o número de apólices emitidas duplicou em cinco anos, passando de 2,1 milhões de apólices em 2016, para mais de 4 milhões em 2020. Ainda segundo o levantamento da National Association of Insurance Commissioners, seguradoras domiciliadas naquele país emitiram cerca de US$ 2,75 bilhões em prêmios diretos.

Apesar das diferenças econômicas, o Brasil parece seguir essa mesma tendência, já que a expectativa é que o setor movimente R$ 1,7 bilhão até 2025. “Vemos uma procura crescente por produtos e serviços contra crimes e golpes pela internet por famílias, microempreendedores individuais (MEIs) e pequenas e médias empresas (PMEs) que, até pelo seu tamanho, tem menos condições de se proteger”, revela Eduardo Rocha, outro co-founder da BLUECYBER.

Porém, para conseguir massificar a oferta desse ramo de forma mais significativa, o especialista acredita que as seguradoras brasileiras ainda precisam evoluir sua metodologia de avaliação de risco e precificação, fazer um monitoramento de risco ativo para manter uma carteira saudável e com baixas taxas de sinistro, além de conseguirem acessar e atender esse mercado de forma eficiente.

“Percebemos que existe um aumento na conscientização sobre riscos e vulnerabilidades cibernéticas, mas ainda há a necessidade de uma maior educação sobre quantificação de riscos e como transferi-los adequadamente. Para isso, desenvolvermos soluções que são economicamente viáveis para estes segmentos de público, sempre trabalhando em parcerias estratégicas com as seguradoras, corretores e resseguradoras”.

Artigos Relacionados