Dr. Carlos Josias: Crise na indústria automotiva e efeitos no ramo securitário

Confira artigo do fundador da C. Josias & Ferrer Advogados Associados

A pandemia ensejou as mais diversas crises em toda a humanidade, partindo de milhões de vidas ceifadas – as perdas mais significativas – e chegando a todos os setores imagináveis da economia.

Publicidade

Não creio que os efeitos e sequelas deixadas serão dizimados ou até minimizados em curto período.

Dentro do tema, inegável que o ramo automóvel é o mais popular e o de comercialização mais intensa, até porque, diz a publicidade, “brasileiro não vive sem automóvel”; e não é uma exclusividade nossa, à evidência, a pasta auto é largamente vendida no mundo todo.

Aqui o efeito bomba foi na indústria automotiva que recepcionou em cheio as consequências, que já perduram por mais de dois anos.

Publicidade
GBOEX no JRS

São repetitivas as notícias de falta de peças e paralisações de montadoras, por isto, como acontece com Fiat, VW, GM, havendo atrasos e parada na produção, tudo vinculado diretamente a lockdowns na China que multiplicam o problema. É grave.

Com o mercado aflito, os reparos nos veículos acidentados sofrem estupendos atrasos tirando a paciência e a tolerância de um consumidor que já vem sendo castigado, faz muito, com todo o tipo de abuso, inflação descontrolada – quem frequenta supermercado e farmácia sabe disto – com disparada de preços violenta, e prestação de serviços cada vez mais carente: em suma, o consumidor está um barril de pólvora com um pavio pronto para ser aceso diante qualquer deslize. Neste passo a indústria do automóvel sofre com baixa produção e preços altos o que indica afastamento da procura. Grave, de novo.

Neste furacão o setor de seguros não só se vê atingido pelas dificuldades naturais, de comércio de apólices, como, pior, o atendimento no sinistro passou a ser trágico. Quem suporta esperar 40, 50, 60 dias ou mais sem reclamar. Nem eu.

Que é o responsável por tudo isto? Quem tem que pagar por isto?

A questão parece simples.

O seguro deve pagar os prejuízos destes atrasos!

É o primeiro pensamento que assalta o universo consumidor, afinal, se paga seguro para não se incomodar – ainda há quem pense exatamente assim. As montadoras, que são as ´responsáveis` pelos atrasos? O Governo? Quantos mais?

Ou nós ainda pagamos também por isto?

Penso que antes de mais nada é preciso uma reflexão profunda sobre o que pensamos sobre danos e responsáveis.

Sempre que há um dano causado nos postamos na qualidade de vítimas, ou seja, nós somos os prejudicados. Nunca pensamos ou nos colocamos no lugar do agente ativo do dano e que eventualmente podemos ser. Num acidente automobilístico a rápida, e em regra, simplista, definição da vítima é a de que o causador paga tudo – não descarto que isto possa a ser regra, e talvez deva efetivamente ser. Mas tudo o que cara pálida? Tudo o que for responsável, parece que seja este o sentimento de justiça que aprendemos como defensores da lei ou da justiça, seja por aprendizado nas universidades seja pela formação familiar. Isto também pode-se dizer que é regra.

Nos elementos caracterizadores da culpa encontramos a negligência, a imprudência e a imperícia. A presença de um deles é suficiente para a apuração da culpa, em sua área subjetiva. Mas não podemos esquecer que a obrigação de indenizar só se concretiza com a presença integral de três outros requisitos: o fato lesivo, o dano causado e o nexo causal.

Me pergunto, qual seria o nexo causal existente entre o fato caracterizado como culposo, praticado por usuário de um automóvel, e o retardo na liberação do veículo pela falta de peças?

Ao invés de nos colocarmos como vítimas, sempre, em situações do tipo – sofremos uma colisão com culpa de outrem – que tal encararmos isto como provocadores do evento danoso? E então vamos repetir a pergunta: seremos responsáveis pelos retardos e suas consequências nos reparos do veículo prejudicado?

É a mesma indagação que lanço nesta reflexão: seria o segurador responsável por uma indenização em seguro de RCF por dano causado por seu segurado sem que o nexo causal se estabeleça?

E no ramo AUTO? Estaria ao abrigo da cobertura do contrato o retardo que não foi ocasionado por desídia da seguradora?

Não me parece estar ao alcance da lei, e muito menos ser tido como justo, que questões alheias à atividade do agente ativo do dano e ou estranhas ao contrato sejam consideradas ao alcance da responsabilidade de ambos.

Me parece, ao contrário, que no que respeita ao agente do dano e ou ao seguro vigorem as excludentes de responsabilidade, afastando o dever de indenizar. É, sub judice, a minha opinião, destacando que na Pandemia as empresas de seguro, em maioria maciça, num ato de coragem e humanitário, deixaram de considerar a cláusula excludente.

Saudações,
Carlos Josias Menna de Oliveira
Advogado – Sócio Fundador do C. Josias & Ferrer Advogados Associados

Artigos Relacionados